07
jun
2014
Crítica: “X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido”
Categorias: Críticas • Postado por: Marcela Galvão
X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past)
Bryan Singer, 2014
Roteiro: Simon Kinberg, Mathew Vaughn, Jane Goldman
20th Century Fox Film

5

E então, finalmente chegou aos cinemas. Pobres namoradas que esperavam ficar abraçadas com seus cavalheiros. Os olhos ficaram fixos na tela. Fãs de ficção científica vão a loucura, fãs de cinema vão a loucura, os fãs de… quadrinhos vão a loucura! Bom, os mais chatos não. Mas eu, como uma fã de quadrinhos, sem mais demoras e mistérios já dou a minha nota logo aqui de cara: 5 estrelas para o filme dos mutantes. E é claro, para o seu diretor: Bryan Singer.

Sim, sim, eu sei! É, tem isso também! Mas devemos nos lembrar que nem tudo o que está no papel serve para as telas e vice-versa. Bryan conseguiu passar um corretivo nos demais erros da série e os “untou” de forma quase impecável. Quer ver só?

X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past, 2014) abre as portas para uma renovação de toda a série de filmes, mas quem seriam os mutantes sem o professor X? Não meus caros, Charles Xavier tinha que voltar. E convenhamos que todos nós já estamos muito mais do que acostumados com Patrick Stewart no papel. Explicação boba? Bom, talvez, mas não havia outra saída! Relembrando: comics é uma coisa, cinema é outra. Temos que lembrar que há fãs de HQ, fãs de HQ e cinema e fãs de cinema. O mundo não gira apenas ao seu redor, pequeno-gafanhoto-nerd.  E eu não sei vocês, mas fico muito feliz pela maioria dos personagens (e atores, lógico!) que aparecem em X-Men: Primeira classe estejam nesse filme também. Sabemos que muitos personagens não possuem tamanha importância nos quadrinhos, mas a interação entre estes e a ligação com 1st class justifica todas as mudanças e…. Peraí. Todas?

Bom, devo dizer que o desfile de mutantes que não estão na história original me deixou um pouco chateada, e sinceramente não entendi o porquê disto. Um dos mutantes que não estão na história original é Blink (Fan Bingbing), mas, oras bolas, aqueles portais ficaram tão bonitos! Tão com aspecto de história em quadrinhos! Ah, vamos esquecer isso.

Mas espera. E AS GARRAS DO WOLVERINE NO FINAL DO FILME? Nada explica isso. E falando em Wolverine, Na história original quem vai ao passado é a Lince Negra – gente, eu cresci com X-Men: Evolution passando de manhã no SBT. Pra mim vai ser sempre Lince Negra –  e não o Wolverine. Isso foi feito pelo fato da Lince Negra ser apenas uma estudante do instituto Para Jovens superdotados e portanto, nos anos 70 ela nem seria nascida ainda! E pelo fato de… é lógico, a publicidade que Hugh Jackman traz. isso é um fato infeliz, pois eu conseguiria apostar tranquilamente em um filme com a Ellen Page como principal, ainda mais sendo uma atriz tão aclamada e em uma época onde as personagens estão ficando cada vez mais fortes. OH! Eu disse ~~~principal~~ uma linha acima?  Bobagem! Neste filme, por mais que pareça, Charles Xavier não é o foco, nem Mística, nem Magneto; este é um filme equilibrado.

Entretanto, embora tenha sido um filme equilibrado, assim como em Os Vingadores, um personagem se destaca. Mercúrio. É unânime, todos que assistiram X-Men concordam que que a cena onde aparece Mercúrio defendendo Charles Xavier e Magneto é a melhor, e isto se dá por mil motivos: “Time in a Bottle” foi uma excelente escolha de canção, que combinaram perfeitamente com efeitos especiais excelentes, e com o figurino do Mercúrio EXCELENTE! SIM! FOI UMA ESCOLHA EXCELENTE DE FIGURINO! Gente, acordem! No filme Mercúrio ainda é só um adolescente, não um super herói ou coisa do tipo! Ele gosta de Pink Floyd, jaquetas e … óculos (por mim, os óculos ficariam para sempre), foi uma excelente escolha. Enfim, espero ver muito de Evan Peters ainda – Evan Peters em AHS, Evan Peters no cinema, Evan Peters na minha camE FALANDO EM FIGURINO, alguém mais ficou muito feliz de uma boa parte do filme se passar nos anos 70? Foi impagável ver todos os personagens com camisas do Agostinho e a bela Jennifer Lawrence (*cof* mas não tão bela quando a antiga interprete da Mística, Rebecca Romijn, *COF*) com o cabelo e os chapéus elegantes da época.

Basicamente, não tenho o que reclamar. É um filme fechado, que foi conciliado com os demais filmes anteriores, piadas rápidas e inteligentes, ótimos atores e efeitos especiais muito bons. Já se esqueceram da nota que eu dei lá em cima? Não se preocupem, eu repito: nota 5



Fã de Nolan, Kevin Smith e Von Trier. Chora em "Toy Story", assiste Grease toda vez que está passando na televisão e tem pavor de filmes com animais falantes. Torce pra a dominação alien sobre a Terra.É cinéfila e nas horas vagas, estudante de direito.