22
jul
2014
Pipoca F.A.R. 6# – Cinema “Bizarro”
Categorias: Pipoca F.A.R. • Postado por: Matheus Benjamin

Este será outro post diferente, pois os filmes aqui elencados podem gerar controvérsias e a título de curiosidade estarei indicando todos pra vocês. Acho que é válido ressaltar que recomendo esses filmes apenas para quem tem estômago forte, para quem não possua problemas com qualquer tipo de cena e goste de explorar o cinema ao máximo. Se você se encaixa em algum ou todos os requisitos, esses filmes são certamente para você!

Freaks (Idem. Tod Browning, 1932)

freakis3

“We accept you, one of us!”

Frase icônica do longa que é o mais legal da lista e eu não acredito que demorei tanto tempo para conferi-lo. Assistam sem medo, pois Freaks é um bom entretenimento, embora tenha causado aversão a bastante gente na época em que fora lançado. Conta a história de um circo cheio de atrações no mínimo estranhas, onde uma trapezista chamada Cleópatra junto de seu amante, Hércules, planejam dar um golpe no anão Hans que a pede em casamento e agora é herdeiro de uma fortuna. Porém Hans acaba descobrindo tudo e arquiteta uma vingança contra ela. Uma curiosidade: No Reino Unido, o filme foi proibido por 30 anos depois da sua primeira exibição.

Pink Flamingos (Idem. John Waters, 1972)

pink-tongue

Confesso que só assisti a esse filme por grande curiosidade. Produzido com orçamento baixo, conta a história da dragqueen Divine e sua família na competição contra o casal Connie e Raymond pelo título de pessoas mais sórdidas do mundo, que todos almejam (?) de maneira estranha. O filme é nojento, insano, bizarro e até risível. Na busca pelo título do mais sórdido, o espectador vê Divine comendo fezes de cachorro e até mesmo fazendo sexo oral em seu filho. Além disso, o diretor mostra muito a nudez de seus personagens, focando no ânus de um deles e promove uma cena de zoofilia, onde um casal transa com uma galinha. Só o assistam se tiverem estômago e curiosidade muito aguçada! Vale lembrar que Pink Flamingos é um clássico do cinema cult e que coleciona diversos fãs pelo mundo que o considera genial.

Saló, os 120 Dias de Sodoma (Salò or The 120 Days of Sodom. Pier Paolo Pasolini, 1976)

salo-ou-les-120-journees-ii08-g

É baseado no livro 120 Dias de Sodoma do Marquês de Sade e conta a história de jovens que sofrem diversas torturas durante o fascismo de Mussolini, na Itália. Dividida em três fases, chamadas de ‘círculos’, que são o Círculo das Manias, onde os fascistas satisfazem seus desejos sexuais; o Círculo das Fezes, onde os jovens são obrigados a ingerir fezes; e o Círculo de Sangue, onde os prisioneiros desobedientes são punidos através de mutilações, torturas físicas e assassinato. Não assista esse filme se você não aguenta algumas das coisas citadas e, caso a curiosidade for mais forte que o aviso, não assista esse filme com seus pais por perto. Eu particularmente acho o cinema de Pasolini bastante interessante e com uma estética violenta bem realizada, portanto, recomendo.

Centopéia Humana (The Human Centipede. Tom Six, 2009)

Esse é um dos longas mais bizarros da atualidade e ainda possui duas sequências. O filme conta a história de um médico alemão que sequestra três turistas e os une cirurgicamente (boca ligada ao ânus) formando uma centopeia humana. Com o sucesso da operação, o médico começa a treinar a centopeia e a partir daí a nojeira começa. O filme tem atuações horríveis, cenas horríveis e nojentas, além de um desfecho muito ruim. Não recomendo, a menos que tenha muita curiosidade. Embora essa primeira sequência seja ridícula, (ainda não conferi as outras) pelo menos a segunda parece ser interessante.

Para conhecer para conhecer uma infinidade de filmes polêmicos em um só vídeo, confira AQUI. E essa lista podeira contar ainda com outros “clássicos” do chamado cinema gore, como Holocausto Canibal (Ruggero Deodato, 1980) e Necromentia (Pearry Reginald Teo, 2009), mas ainda não tive coragem de assistir.



Fã de Miyazaki, Aïnouz, Salles, Mendonça Filho, Von Trier, Thomas Anderson, Haneke e Bergman. Dirigi dois curta-metragens “A-Ma-La” e “Senhor Linux e sua Incrível Barba”, ambos pela Pessoas na Van Preta.