27
ago
2014
Crítica: “Carros 2” – MARATONA PIXAR #12
Categorias: Críticas, Maratona Pixar • Postado por: Victor Hugo
Carros 2 (Cars 2)
John Lasseter & Brad Lewis, 2011
Roteiro: Ben Queen, John Lasseter, Brad Lewis e Dan Fogelman
Walt Disney Pictures

2

Dizer que essa hora tinha que chegar vai fazer eu parecer muito pessimista? Pois bem, não me importo.  A Pixar ia acabar tropeçando uma hora, e as dicas já estavam sendo deixadas. É sério! E como já podem perceber, essa crítica vai ser um pouco diferente das demais sobre os filmes da produtora. Infelizmente, não posso mais elogiar a genialidade de John Lasseter e seu bando.

Carros 2 (Cars 2, 2011) é o primeiro grande filme ruim da produtora que construiu até aqui uma carreira impecável, e é com ele que se inicia a fase da velhice. Com fase da velhice, quero dizer que todas as inovações que fizeram das fases anteriores grandiosas pararam de acontecer, e tudo a partir de agora baseia-se no discurso vazio de filmes comerciais ou que busquem referências em outras produtoras, e é exatamente isso que caracteriza esse filme, e quando digo que as dicas estavam sendo deixadas, me refiro a Toy Story 3 (2010) que apesar de ser um dos filmes mais incríveis da produtora, já demonstra uma insana vontade de voltar atrás.

O foco dado aqui não é mais em Relâmpago McQueen, que acabou de vencer consecutivas Copa Pistão e está procurando um pouco de descanso na tranquila Radiator Springs. O personagem agora é Mate, o caminhão guincho amigo do piloto, e esse já é um dos maiores erros do roteiro: Dar a um personagem puramente engraçadinho o papel principal sem preocupar-se em desenvolvê-lo e construir nele uma base primeiro. É feito na verdade totalmente o contrário, pois ao longo do filme vemos o desespero da direção em tentar tornar Mate um pouco mais complexo o que é claro, é um fracasso.

Um novo combustível foi criado, e como forma de divulgar essa nova alternativa a gasolina, é criado um Circuito Mundial com o intuito de reunir campeões de diversos países (incluindo um corredor brasileiro que fica sempre em terceiro lugar diga-se de passagem) e McQueen é de certa forma obrigado a participar por causa da grande “cagada” feita por Mate. Por causa de uma reclamação de sua namorada Sally, o corredor acaba por levar o amigo nas corridas o que acarreta em grandes confusões, e o que temos aqui é o típico humor de mau gosto, do tipo que tira sarro da ignorância de alguém mais humilde.

Aparentemente, todos os traços de maturidade conquistado a tanto tempo pela Pixar foram totalmente ignorados durante a produção deste, que na minha opinião, não parece ter sido feito com nenhum intuito além da pura venda de uma ideia que deu certo uma vez. Infelizmente, essa fórmula não é infalível, e ficam claros os furos quando temos a inserção de espiões, numa clara referência a série 007. Apesar da homenagem ter sido boa e os novos personagens serem até que bem desenvolvidos, não foi suficiente para acrescentar qualidade de forma significativa a narrativa pobre.

O roteiro é fraco no sentido de o tempo todo jogar-nos informações novas, como se nada tivesse sido bem idealizado e as ideias foram surgindo ao longo da produção, criando alternativas desesperadas para salvar a história.

Uma virtude que claramente não se perde é a da qualidade da animação, que trabalha de forma talentosíssima na construção de expressões faciais e até mesmo corporais nos carros que os tornam muito parecidos com os seres humanos, exatamente como foi feito no primeiro filme. Primeiro filme aliás que já não era um dos melhores da produtora, mas tinha um ótimo potencial comercial que foi explorado ao máximo aqui.

Apesar do humor de mal gosto e da história incrivelmente rasa, a qualidade da animação vale as duas estrelas que restam da genial história da produtora.

Amanhã é dia de falar sobre ‘Valente‘, e aparentemente, não mudou muita coisa.



Lorde Vampírico e Geográfico das trevas, ex-ditador dessa pocilga, aspirante a escritor e a web-designer, twilighter, beatlemaniaco, parawhore, narniano e, é claro, cinéfilo. Hoje me resumo à vice-presidente do site. Amém irmãos? Amém.