25
maio
2015
Cannes 2015: “Dheepan”, de Jacques Audiard, ganha a Palma de Ouro!
Categorias: Festivais, Notícias • Postado por: Matheus Benjamin

A 68ª edição do Festival de Cannes terminou na noite de ontem (24) entregando, como de costume, prêmios para os melhores filmes do festival. Desde do dia 13 de maio foram exibidos cerca de oitenta filmes em diversas sessões e mostras paralelas, como a Un Certain Regard (um certo olhar, em tradução livre) que contempla, em perspectiva, um cinema mais atípico que os da seleção principal e recompensa cineastas pouco conhecidos com cerca de 30 mil euros.

000_dv2044716

Jacques Audiard, diretor de “Dheepan”, vencedor da Palma de Ouro 2015. (Foto de Anne Christine Pojoulat)

O vencedor de melhor filme não era um dos favoritos, mas o diretor Jacques Audiard acabou conquistando a Palma de Ouro com seu “Dheepan” (O Profeta, em português), que conta a história, baseada em fatos, de um ex-guerrilheiro dos Tigres de Libertação da Pátria Tamil do Sri Lanka, vivido pelo ator Jesuthasan Antonythasan, que chega à França com um passaporte falso, ao lado de uma jovem e de uma criança que se passam por sua família. O que mais despertou interesse no cineasta ao contar esta história foi a família falsa que tornava-se aos poucos um família de verdade.

Confira abaixo os outros vencedores da noite:

EM COMPETIÇÃO

Palma de Ouro: “Dheepan”, de Jacques Audiard (França)

Grande Prêmio: “Son of Saul”, de Laszlo Nemes (Hungria)

Melhor Diretor: Hou Hsiao-hsien, por “The Assassin” (Taiwan)

Melhor Ator: Vincent Lindon, por “La loi Du Marché” (França)

Melhor Atriz (tie): Emmanuelle Bercot, por “Mon roi” (França) e Rooney Mara, por “Carol” (Inglaterra)

Prêmio do Júri: Yorgos Lanthimos, por “The Lobster” (Grécia, Irlanda, Inglaterra, França e Holanda)

Melhor Roteiro: Michel Franco, por “Chronic” (México e França)

000_dv2044641

Yorgos Lanthimos, diretor de “The Lobster” vencedor do Prêmio do Júri. (Foto de Anne Christine Pojoulat)

OUTROS PRÊMIOS

Palma de Honra: À cineasta belga Agnes Varda (Pelo conjunto da obra)

Câmera de Ouro: Primeiro Longa Metragem “La Tierra y la Sombra”, do diretor Cesar Augusto Acevedo (Colômbia)

Palma de Ouro (Curta Metragem): “Waves ’98”, de Ely Dagher (Líbano)

Prêmio Ecumênico do Júri: “Mia Madre”, de Nanni Moretti (Itália)

UN CERTAIN REGARD

Prêmio Un Certain Regard: “Hrútar”, de Grimur Hakonarson (Islândia e Dinamarca)

Prêmio do Júri: “Zvizdan”, de Dalibor Matanic (Croácia, Eslovênia e Sérvia)

Melhor Diretor: Kiyoshi Kurosawa, por “Kishibe no Tabi” (Japão e França)

Prêmio Un Certain Talent: Corneliu Porumboiu, por “Comoara” (Romênia)

Prêmio Especial de Revelação (tie): “Nahid”, de Ida Panahandeh (Irã) e “Masaan”, de Neeraj Ghaywan (França e Índia)

Cesar Augusto Acevedo, vencedor do Prêmio da Câmera pelo filme "La Tierra y la Sombra". (Foto: Valery Hauche/AFP)

Cesar Augusto Acevedo, vencedor da Câmera de Ouro pelo filme “La Tierra y la Sombra”. (Foto de Valery Hauche)

QUINZENA DOS REALIZADORES

Prêmio Art Cinema: “El Abrazo de la Serpiente”, de Ciro Guerra (Colômbia)

Prêmio SACD: “Trois Souvenirs de Ma Jeunesse”, de Arnaud Desplechin (França)

Prêmio Europa Cinemas: “Mustang”, de Deniz Gamze Erguven (França, Turquia e Alemanha)

SEMANA DA CRÍTICA

Grande Prêmio: “Paulina”, de Santiago Mitre (Argentina, Brasil e França)

Prêmio Visionário: “La Tierra y la Sombra”, de César Augusto Acevedo (Colômbia, França, Holanda, Chile e Brasil)

Prêmio SACD: “La Tierra y la Sombra”, de César Augusto Acevedo (Colômbia, França, Holanda, Chile e Brasil)

Fonte: VarietyThe Guardian



Fã de Miyazaki, Aïnouz, Salles, Mendonça Filho, Von Trier, Thomas Anderson, Haneke e Bergman. Dirigi dois curta-metragens "A-Ma-La" e "Senhor Linux e sua Incrível Barba", ambos pela Pessoas na Van Preta.