23
maio
2015
Crítica: “Um Santo Vizinho”
Categorias: Críticas • Postado por: Maisa Carvalho

Um Santo Vizinho (St. Vincent)

Theodore Melfi 2014
Roteiro: Theodore Melfi
The Weinstein Company

3.5

O filme de estréia do diretor Theodore Melfi me surpreendeu. Confesso que o que me motivou a assistir ao filme foi Bill Murray, não esperava muito e, mesmo assim, adorei. O filme lembra um pouco o “About a Boy” de Chris e Paul Weitz, aquele com o Hugh Grant, mas só lembra, não é uma cópia, e devo dizer, é bem melhor.

Eu adoro filmes que misturam drama com comédia, particularmente é meu tipo favorito de filme, mas para fazer isso é preciso um pouco de sutileza, Melfi conseguiu essa sutileza. O filme é lindo, engraçadíssimo e emocionante, você não vai gargalhar e nem chorar, mas te garanto que durante o filme vai sorrir um pouco, e o final, pode até te tirar uma lágrima ou duas.

A história é sobre Vincent (Bill Murray), um cara um tanto quanto peculiar que fuma muito, bebe muito, transa uma vez por semana com uma prostituta, que é o que ele tem mais próximo de uma amiga e por aí vai, faz até pensar que a vida dele foi lamentável ou que ele é um nada. Mas ao longo do filme, a gente vai se apegando a ele, graças ao relacionamento que ele tem com seu novo vizinho, Oliver (Jaeden Lieberher), ele vira uma espécie de babá do menino de doze anos, filho de uma mãe solteira e que tem alguns problemas para se ajustar à nova vida.

O jeito de Vincent lidar com Oliver é o que deixa tudo bem cômico e a história do passado de Vincent nos é apresentada de maneira que corta o coração. Não quero me prolongar muito na trama, é um filme que precisa ser visto sem muita coisa dita, porque senão estraga, então vou falar porque gostei e porque deve ser visto:

O roteiro me ganhou do começo ao fim, a trilha sonora acompanha a história perfeitamente, as personagens são muito bem desenvolvidas, o que me leva ao melhor de tudo, as atuações. Bill Murray está sensacional, no nível Steve Zissou, um trabalho incrível. Melissa MacCarthy está muito bem, embora ela tenha poucas cenas durante o filme, suas cenas mais dramáticas estão bem boas, é bom ver um outro lado dela (que é uma atriz mais de comédia e não me agrada tanto assim). A Naomi Watts está bem engraçada como a prostituta Daka Paramova, e faz um sotaque russo falando inglês que parece real mesmo. E, por fim, Jaeden Lieberher como Oliver, o garoto está incrível, mesmo. Adoro ver um ator/atriz mirim tão bem assim logo no começo, e se ele continuar a fazer filmes assim, vai ser um grande ator.

Então é isso, quando vir algum filme que tenha o nome Theodore Melfi, com certeza vou dar uma olhada a mais, porque se seu trabalho de estreia foi um filme como St. Vincent, ainda eu espero muito desse diretor.



Não gosto da palavra "cinéfila", então digo que apenas que amo assistir filmes, principalmente se tiver o DiCaprio ou Keira Knightley. Sou apaixonada pelo Scorsese, Wes Anderson, Sofia Coppola, Woody Allen, Cameron Crowe e John Hughes. Adoro os filmes que misturam comédia com drama e não curto o preconceito com os filmes nacionais. Estudo jornalismo e caí de paraquedas neste site, com a Força ao meu lado, espero não decepcioná-los.