10
jan
2016
Crítica: “A Grande Aposta”
Categorias: Críticas, Maratona Oscar 2016 • Postado por: João Vitor Moreno
A Grande Aposta (The Big Short)
Adam McKay, 2015
Roteiro: Adam McKay e Charles Randolph
Paramount Pictures

3

“A Grande Aposta” é o “Trapaça” (2013) desse ano. Um filme que tem várias qualidades e vários defeitos, mas que por ter um elenco admirável e querido vai conseguir diversas indicações ao Oscar, tendo em vista que a maior parte da Academia é formada por atores e eles normalmente valorizam esse tipo de trabalho.

Michael Burry (Christian Bale) é o dono de uma empresa de médio porte, que decide investir muito dinheiro do fundo que coordena ao apostar que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve. Tal decisão gera complicações junto aos investidores, já que nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e levado vantagem. Ao saber destes investimentos, o corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) percebe a oportunidade e passa a oferecê-la a seus clientes. Um deles é Mark Baum (Steve Carell), o dono de uma corretora que enfrenta problemas pessoais desde que seu irmão se suicidou. Paralelamente, dois iniciantes na Bolsa de Valores percebem que podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise imobiliária e, para tanto, pedem ajuda a um guru de Wall Street, Ben Rickert (Brad Pitt), que vive recluso.

O primeiro obstáculo que o roteiro tem que enfrentar é o excesso de exposição. Ao lidar com diversos termos técnicos, e uma trama obviamente complexa, é inevitável que o texto traga diversos momentos de explicação, pois o espectador tem que ao menos tentar acompanhar o que está acontecendo. E as saídas que os roteiristas acham para “contornar” esse problema são, ainda que exageradas, admiráveis.

Ao invés de trazer personagens conversando sobre determinado assunto para que o espectador “descubra” o que precisa saber, o que sempre soa artificial, o roteiro aposta em escolhas mais peculiares, como a quebra da quarta parede (quando um personagem fala diretamente com o espectador), trazendo muitas vezes participações especiais de atores que entram apenas para explicar determinada palavra ou expressão (e o momento envolvendo uma banheira é particularmente criativo, e o que envolve um asiático é hilário). Isso não impede o roteiro de ter um excesso de exposição, mas tendo em vista que isso era inevitável (afinal, estamos falando de economia) dá para perdoar.

A direção de Adam McKay mantém a câmera em constante movimento, e a montagem aposta em diversos cortes rápidos, o que cria um ritmo acelerado que por mais que seja confuso, consegue passar o contexto vivido pelos personagens. Já a trilha sonora, que vai de Nirvana a Metallica, é excelente, lembrando até um pouco o jeito do Scorsese de usar a música em seus filmes.

Como a trama é praticamente impossível de se acompanhar (apesar das constantes explicações), o filme acaba apostando em seu ritmo particular e o carisma de seu elenco para se sustentar. Elenco, aliás, que traz diversos nomes de peso, entre eles Steve Carell, Marisa Tomei, Christian Bale, Ryan Gosling, Brad Pitt e Melissa Leo.

Steve Carell surge aqui praticamente como uma cópia de seu personagem mais famoso (Michael Scott, da série The Office), o que não chega a ser um problema. Já Christian Bale, que foi indicado ao SAG (e que tem alguma chance no Oscar) está muito bem e se diverte com a excentricidade de seu personagem, ainda que seu trabalho acabe não sendo muito diferente do que ele já havia feito no filme “O Vencedor” (2010).

Mas mesmo com um elenco admirável e diversas ideias inspiradas, a narrativa se torna desinteressante e aborrecida em diversos momentos. Afinal, não importa o quão bom seja a Forma, com um Conteúdo fraco, não se faz um bom filme.

Além de confuso (que mesmo proposital, impede um envolvimento maior por parte do espectador), o roteiro ainda tenta sem sucesso adicionar uma complexidade dramática à seus personagens, o que soa artificial e destoa com o resto da narrativa. Por exemplo, o fato do irmão do personagem do Steve Carrel ter cometido suicídio não desempenha papel nenhum na trama, e o monólogo do personagem do Christian Bale no terceiro ato sobre como ele tinha dificuldades de encontrar uma esposa, além de ser desnecessário, adiciona ao filme um pequeno problema de tom.

Acertando em cheio em seus minutos final, ao ironizar de maneira inspiradíssima a impunidade dos banqueiros e executivos milionários, “A Grande Aposta” acaba sendo um trabalho atípico e até bem criativo, mas que falha em sua longa duração e seu tom irregular, surgindo com um dos nomes mais fracos dessa temporada de premiações.



Cinéfilo. Crítico de cinema desde 2014. Músico.
“Quando os filmes são bons, nos fazem sentir mais vivos, e escrever sobre eles tem o mesmo efeito” – Pauline Kael