25
ago
2016
Crítica: “Ben-Hur”
Categorias: Críticas • Postado por: João Vitor Moreno
ben-hur-2016-poster

Ben-Hur

Timur Bekmambetov, 2016
Roteiro: John Ridley e Keith Clarke
Paramount Pictures

3

Um remake de um clássico dirigido pelo diretor responsável por um desastre como Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros – isso por si só já é o suficiente para deixar qualquer cinéfilo apavorado. Mas felizmente este novo Ben-Hur é um filme decente, que mesmo desnecessário e recheado de defeitos, tem momentos verdadeiramente inspirados e demostra uma excelente evolução de seu diretor em relação ao seu último trabalho.

A história é a que muitos já conhecem: Ben-Hur é um príncipe judeu que vive na Jerusalém dominada pelos romanos na mesma época de Jesus Cristo, e que depois de ser traído por seu irmão adotivo e escravizado durante anos, vai em busca de vingança.

Se iniciando com diversos diálogos fraquíssimos, que por beirarem o teatral dão a impressão de que nenhum personagem pensa para falar, o roteiro escrito por John Ridley e Keith Clarke tem suas falhas e seus méritos. Por um lado, a relação criada entre Ben-Hur e seu irmão adotivo Messala é humana e plausível (embora com bem menos camadas e sutilezas do que na versão de 1959), por outro, a relação do protagonista com sua amada e suas familiares (que representavam grande parte da força dramática da versão clássica) aqui é superficial e secundária. Além disso, ao tentar justificar demais a traição cometida por Messala, o roteiro acaba tornando-o um vilão bem menos detestável do que o esperado – o que, obviamente, enfraquece o tema central do filme (vingança) e também sua mensagem final (dão darei detalhes para evitar spoilers, ainda que a história já seja conhecida).

A direção de Timur Bekmambetov, cineasta do Cazaquistão (fãs de Borat não conseguem evitar um sorriso ao ouvir esse nome), é muito feliz ao incluir energia nas sequências de ação através de recursos simples – como ao dosar muito bem os momentos que trazem a câmera posicionada no meio de alguma luta, mas sempre evitando muita tremedeira confusa, ou ao filmar uma complexa sequência ambientada em um grande barco toda através do ponto de vista do protagonista, que se encontra amarrado no porão (o que evita um excesso de computação gráfica, e ainda dá a dimensão grandiosa do que está acontecendo – aumentando a vulnerabilidade dos personagens).

Além disso, vale dizer que Bekmambetov ainda demonstra certo domínio da tecnologia 3D (algo raro até para cineastas experientes), pois além de a história se passar quase todo de dia e trazer uma fotografia que valoriza as cores, efeitos como neve ou grãos de poeira enriquecem o visual em terceira dimensão. E se cineastas como David Yates (em A Lenda de Tarzan) precisam quebrar a lógica estética do filme para tentar justificar o 3D (como ao incluir planos em primeira pessoa sem necessidade alguma), aqui Bekmambetov deixa a câmera subjetiva surgir de maneira natural, e não chama a atenção para si – como quando acompanhamos o protagonista caindo de um barco para o mar, e de repente estamos vendo tudo com os olhos dele sem que tenhamos percebido a “manobra” do diretor.

O trabalho de designe de produção evita um pouco um clima épico (talvez para não gerar muitas comparações com o filme de 1959), mas convence ao criar um ambiente plausível e cotidiano para os personagens (os planos aéreos de Jerusalém não chegam a ser imponentes, mas são sem dúvidas convincentes). Já a trilha sonora à la Hans Zimmer de Marco Beltrami é eficiente ao passar a imponência das tropas romanas, mas cai no óbvio nas cenas mais dramáticas.

No elenco temos Jack Huston como Ben-Hur, que faz um trabalho bastante eficiente durante a primeira meia hora ao evocar fragilidade e compaixão para seu personagem, o que o deixa humano e de fácil identificação. Mas ao passar a ser motivado por vingança e ódio, o ator não convence, já que a única coisa que muda em seu personagem é sua caracterização e sua voz sempre rouca (e aqui é impossível evitar a comparação com Charlton Heston na versão clássica, que fazia um trabalho admirável ao utilizar a vingança e o ódio do personagem como armadura para vencer suas dificuldades – e o fato de o vilão ser mais detestável também o beneficiava).

E enquanto Toby Kebbell se prejudica por ter em mãos um vilão que não é tão aproveitado pelo roteiro quanto poderia, Rodrigo Santoro, por sua vez, vive ninguém menos que Jesus Cristo, e o faz muito bem – e a opção de deixar de lado a áurea mística em torno do personagem e apostar em uma abordagem mais humana, é uma decisão corajosa e eficiente do filme. Já Morgan Freeman está completamente no piloto automático, sem contar que é impossível levar a sério dramaticamente um personagem com uma caracterização daquela.

Se iniciando e terminando com uma narração em off completamente brega, Ben-Hur é eficiente enquanto é um filme de ação e falha um pouco ao tentar ser um drama. Evita comparações com a versão clássica de William Wyler, e tem uma ou outra coisa nova, não chega a ser o suficiente para justificar o remake, mas é o bastante para deixá-lo recomendável de se ver.



Cinéfilo. Crítico de cinema desde 2014. Músico.
“Quando os filmes são bons, nos fazem sentir mais vivos, e escrever sobre eles tem o mesmo efeito” – Pauline Kael