17
ago
2016
Crítica: “Leste Oeste”
Categorias: Críticas • Postado por: João Vitor Moreno
leste-oeste03-1

Leste Oeste

Rodrigo Grota, 2016
Roteiro: Rodrigo Grota
Kinopus Audiovisual

4

Depois de uma longa e prolífera carreira em curtas metragens que contavam suas histórias muito mais por meio de imagens do que diálogos, Rodrigo Grota chega agora a seu primeiro longa metragem, e que curiosamente é um filme recheado de diálogos elaborados e longos monólogos, mas que tem tanto a dizer em suas palavras quanto em seus pequenos detalhes.

O roteiro segue Ezequiel (Felipe Kannenberg), um ex-piloto de kart que retorna a sua cidade natal depois de 15 anos e reencontra seu pai (José Maschio), um antigo amor (Simone Iliescu), e seu jovem sobrinho (Bruno Silva), que sonha em se tornar piloto.

Com uma fotografia esfumaçada e melancólica que traz os atores constantemente envoltos por fumaças de cigarros, o filme é hábil desde o início em evocar a atmosfera de tristeza e desesperança experimentada pelos personagens. Sendo igualmente interessante a maneira como o roteiro encaixa diversos simbolismos, desde os mais claros, como aqueles que envolvem as corridas de kart (a necessidade de ir sempre rápido, chegar antes, mas sempre voltar para o mesmo lugar), até os mais sutis, como na cena que traz pai e filho conversando calculadamente enquanto jogam cartas. Achando ainda espaço para belíssimos e evocativos monólogos, que poderiam parecer artificiais se não fossem tão bem escritos e interpretados.

E como comentei no início, não deixa de ser irônico que um filme tão bem falado também tenha tanto a dizer em seus detalhes não verbais. E para isso a força de seu elenco se mostra fundamental.

Felipe Kannenberg tem a difícil tarefa de praticamente se expressar apenas com o olhar, e o faz admiravelmente bem. Já Simone Iliescu não apenas traz a constante dor de sua personagem, que se contrapõe com sua aparente vivacidade, em todas suas cenas, como ainda tem a oportunidade de protagonizar um dos momentos mais belos do longa – aquele que a traz cantando uma música acapella em um estúdio.

O elenco secundário também não fica para trás. Enquanto José Maschio evoca com competência toda a experiência e (por consequência) desesperança de seu personagem (que encontra seu auge na cena em que ele confronta o filho em busca de alguma atitude), os jovens Filipe Garcia e Bruno Silva exibem uma boa dinâmica enquanto suas juventudes representam um sobro de esperança em um mundo dominado pela melancolia (e a vontade de sair da cidade em busca de novos caminhos se contrapõe com a jornada do protagonista, que está justamente voltando para sua cidade natal depois de muitos anos – em uma sutileza que o próprio filme comenta ao trazer um personagem falando sobre a estranheza que sentiu ao perder um parente ao mesmo tempo em que um amigo tinha acabado de ganhar um filho).

Tendo ainda uma belíssima trilha sonora, que além da pegada anos 90 se equilibra muitíssimo bem entre a melancolia, nostalgia e energia (a música de abertura, a que acompanha um treino de kart, e outra que acompanha um desentendimento entre dois personagens são as minha favoritas – não consigo escolher só uma), Leste Oeste é um belo filme, que compreende a força de seus personagens e só tende a ficar ainda mais forte depois de uma reflexão – e filmes assim são sempre os melhores.



Cinéfilo. Crítico de cinema desde 2014. Músico.
“Quando os filmes são bons, nos fazem sentir mais vivos, e escrever sobre eles tem o mesmo efeito” – Pauline Kael