11
fev
2017
Livro: “Como Star Wars Conquistou o Universo” – Uma História Star Wars
Categorias: Livro e Filme • Postado por: Matheus Benjamin

George Lucas, criador da saga Star Wars, construiu um império cinematográfico e conquistou muitas coisas: ganhou admiradores, fãs, haters (muitos haters) e um reconhecimento grandioso acerca de uma das maiores franquias já criadas. Como o próprio autor de Como Star Wars Conquistou o Universo, Chris Taylor, aborda no primeiro capítulo, é muito difícil encontrar alguém que esteja imune ao sucesso desses filmes tão aclamados e conhecidos ao redor do mundo. E, portanto, há de se reconhecer que essa guerra nas estrelas não é um mero objeto cinematográfico.

Como Star Wars Conquistou o Universo, de Chris Taylor. Aleph. 616 páginas. Skoob.

Chris Taylor é um apaixonado por pesquisar e compreender as diversas e complexas relações da cultura pop para com o mundo dos negócios e isso por ser encontrado na orelha do livro, quando se procura um pouco mais sobre o autor, que se aventurou em uma extensa e interessante pesquisa acerca desse universo tão rico e cheio de controvérsias, polêmicas, sucesso e fama. Conforme alguns capítulos vão passando seu ar de fã da série Star Wars vêm à tona e ele mesmo admite algumas de suas imperfeições e também suas qualidades; defende a saga quando se faz necessário, algo louvável, tendo em vista que dessa forma ele acaba sendo um personagem de sua narrativa ao se inserir, dando sua opinião ou relatando sua participação em algum evento importante.

E ele narra de tudo. Nós temos coisas muito divertidas como a descrição de como fora a estreia do primeiro filme e de como a Fox estava completamente descrente que Star Wars lhe rendesse qualquer coisa. Ele narra detalhe por detalhe de como aquelas pessoas no dia 25 de maio de 1977 assistiram ao filme pela primeira vez, como apareceram as logos, como toda aquele início triunfante se deu, como foi a reação daquele público e onde raios George Lucas estava naquele momento. Todas aquelas lendas urbanas acerca dos bastidores da série são colocadas no livro, como por exemplo a lenda que dizia que Spielberg e Lucas trocaram 5% de lucros de seus filmes da época (nem precisamos dizer que Spielberg se deu super bem com isso, né?)

O autor divide o livro em capítulos bem extensos, narrando algum acontecimento específico da época, mexendo realmente nos bastidores, desde quando Lucas queria fazer um simples filme de ficção científica (o famigerado THX 1138) e passou a almejar um universo completo ao criar o que ele chamou inicialmente de As Aventuras de Starkiller (sim, esse era o primeiro nome de Luke Skywalker) até a venda da Lucas Film para a Disney e como se deram essas negociações, anuncio ao público e o recomeço da franquia. Intercalado a essas informações valiosas e que são interessantíssimas quando pensamos na grandiosidade e no poder de alcance do cinema (afinal de contas, vários profissionais da área são citados em diversos momentos – entre produtores, roteiristas, diretores, designers e etc) lemos relatos bacanas sobre o poder de Star Wars na cultura pop. Como já mencionado anteriormente, Chris conhece uma pessoa que estava imune ao fenômeno e nunca havia sequer sabido da existência do filme (afinal, uma pessoa pode não ter assistido, mas já se deparou com a figura de Darth Vader por aí), além disso também fala das polêmicas que envolveram a produtora, como quando um designer de capacetes de stormtrooper passou a fabrica-los sem licenciamento e a vende-los a todo e qualquer tipo de pessoa, entrevista o ator que interpretou Boba Fett, o personagem lendário que (pasmem) tem pouquíssimo tempo de tela na saga e conquistou o público, além do mais, Chris Taylor também ilustra de maneira interessante quais eram as intenções do elenco, quem estava afim de fazer o filme e quem não acreditava nele.

Lando Calrissian e Boba Fett.

Entre a narrativa de eventos importantes que fãs da saga criaram, também temos uma espécie de biografia (ou contextualização, como queira) do seu criador, algo bem interessante, pois mostra como certas situações – o caso de sua separação com a montadora Marcia Lucas – afetaram a saga. As alegrias (o sucesso dos filmes) e as tristezas (o episódio especial para a TV) são algumas das coisas que mais instigam o leitor nesse livro espetacular que possivelmente encantará não somente aqueles que gostam de Star Wars, mas sobretudo os apaixonados por cinema e seus detalhes minuciosos de bastidores. Afinal de contas, que fã da saga não gostaria de saber como a nova trilogia surgiu e em que contexto ela se deu, como fora a escalação de atores e porque ela não se tornou tão incrível quanto a anterior. Como se deram as edições especiais e por quê elas foram feitas? Algumas dessas questões são respondidas no livro e deixam-nos com um olhar menos raivoso para George Lucas. O compreendemos e passamos a “odiá-lo” menos.

A edição do livro traz uma leitura confortável, páginas amareladas e uma fonte em tamanho de médio pra pequeno, afinal é um livro com muitas informações; mesmo assim a diagramação é bem feita e com várias notas de rodapé interessantes, incluindo também notas do tradutor André Gordirro que esclarecem algumas dúvidas que poderiam ter ficado soltas com relação a expressões e nomes de filmes. Além de trazer imagens sobre diversos momentos da saga, do elenco e de frutos sendo colhidos posteriormente por seu criador (como a visita a um evento de cultura nerd), a edição também acompanha uma página preta sempre ao final/começo de cada capítulo, além de um índice com todos os profissionais e filmes citados e suas páginas de ocorrência e um outro índice com todas as notas e fontes citadas, afinal o autor teve uma pesquisa bastante extensa, conversou com diversas pessoas e coletou informações de livros, revistas e documentários.

Como Star Wars Conquistou o Universo? Nesse interessante livro para apaixonados por cinema temos alguns fatos que ilustram muito sobre essa resposta. O autor não a responde puramente, cabe ao leitor analisar tudo o que leu e chegar a essa conclusão. Só posso dizer que foi uma leitura bastante proveitosa, sobretudo por todas as informações contidas nele, não somente de Star Wars, mas de diversos filmes e diretores da época. Além do mais, passamos a enxergar seu criador tão criticado com um pouco mais de empatia, tendo em vista que todos temos erros e acertos. No caso, George fez o que fez porque acreditava estar fazendo o melhor para sua saga e não somete por ela, mas para si mesmo, pois queria que tudo fosse do jeito que sempre sonhou.

PS: esse vídeo super interessante traz algumas coisas mencionadas pelo autor no livro. Achei que deveria compartilhar com vocês, tendo em vista que quem já leu o livro pode ficar interessado.


 

Leia Também

Afinal, Azul é a Cor Mais Quente?

Dez Clássicos Totalmente Esnobados do Oscar!

Por que a segunda trilogia de Star Wars é tão odiada?

Livro e Filme: Atlas de Nuvens e A Viagem

 

 



Fã de Miyazaki, Aïnouz, Salles, Mendonça Filho, Von Trier, Thomas Anderson, Haneke e Bergman. Dirigi dois curta-metragens "A-MA-LA" e "Senhor Linux e sua Incrível Barba", ambos pela Pessoas na Van Preta Produções.