12
fev
2017
Volta ao Mundo em 80 Filmes: “O Jardim”
Categorias: Volta ao Mundo em 80 Filmes • Postado por: Raphael Cancellier

O Jardim (Zahrada)

Martin Sulík, 1995
Roteiro: Marek Lescák, Ondrej Sulaj, Martin Sulík
Eslováquia
Distribuidora: Action Gitanes

4

A nossa Volta ao Mundo em 80 Filmes desta semana desembarca na Eslováquia com a intrigante produção O Jardim.

Após ser pego pelo pai transando com uma mulher casada, Jakub é expulso de casa e vai morar numa antiga fazenda que pertencia ao seu avô. Enquanto ele torna o lugar abandonado habitável, ele conhece algumas pessoas misteriosas e coisas estranhas começam a acontecer.

Em um primeiro momento, chegamos a pensar que estamos assistindo a um drama familiar. No entanto, com o desenvolvimento do filme, percebemos que é uma produção híbrida, que bebe na fonte do drama, da comédia e do suspense, com um alto teor de surrealismo.

O roteiro explora em pequenos blocos as histórias das pessoas que cruzam o caminho de Jakub, apresentando personagens metafóricos e com enredos diversificados. Enquanto o protagonista cresce por meio da experiência com as outras pessoas, o filme ganha corpo com uma aura fantástica. A riqueza de personagens e a construção das relações é o grande destaque da produção. Marián Labuda (Jakub) e Zuzana Sulajová (Helena) conseguiram criar dois personagens interessantes, com caras e bocas que não excedem o tom, mesmo beirando ao absurdo das situações que o roteiro apresenta.

Sobre esses absurdos presentes no enredo, devo dizer que eles enriquecem a produção, pois cabem perfeitamente no universo surrealista criado por Lescák, Sulaj e Sluík. Eles quebram com a expectativa do filme, não deixando ele cair na monotonia.

A direção conseguiu captar com maestria a aura de O Jardim, apresentando sequências prazerosas à nossa vista, quase uma sinestesia hedonista, como por exemplo, no momento em que Helena escreve o seu nome no açúcar, em plano fechado, e no momento em que ela e o protagonista pisam no formigueiro.

Mesmo sendo um filme que foge da expectativa blockbuster, a obra é redonda, começando e fechando na relação de Jakub e seu pai. É interessante notar que as pequenas histórias que se desenvolvem durante a produção também são desenvolvidas e não estão inseridas ali à toa, somente porque os roteiristas quiseram. Todas elas se relacionam ao protagonista e fazem com que ele consiga ganhar força.

O Jardim é um filme inusitado e que conseguiu despertar em mim sentimentos diversos. É uma obra que parece ser simples em um primeiro olhar. No entanto, com as suas metáforas e seus simbolismos, se torna uma produção forte, aliadas a uma direção que traz o charme na medida para as suas sequências.

E apertem os cintos! Semana que vem vamos para a Espanha com o filme Fale com Ela, de Pedro Almodóvar. Não percam!



Futuro roteirista de TV e cinema, assisto de tudo, sem preconceitos, e procuro prestar atenção na forma como a história é contada. Sou apaixonado pelo cinema brasileiro contemporâneo, mas também sou Disneymaníaco. Meus diretores preferidos são Almodóvar, Gabriel Mascaro, Tarantino, Aïnouz, Von Trier e Sofia Copolla.