19
mar
2017
Especial: série “Olhos Famintos”!
Categorias: Especiais • Postado por: Marcelo Silva

*O texto a seguir contém spoilers de Olhos Famintos e Olhos Famintos 2

Jeepers, creepers
Where’d you get them peepers?
Jeepers, creepers
Where’d you get those eyes

O grande nome do jazz Louis Armstrong muito provavelmente morreu sem imaginar que, um dia, uma de suas músicas viraria título de filme de terror. Jeepers Creepers (traduzido no Brasil como Olhos Famintos, nome que não deixa de ser criativo) foi lançado em 2001 – exatos trinta anos depois da morte de Armstrong – e não tardou para conquistar seus fãs.

O que era para ser uma viagem normal acaba se transformando em um pesadelo sem saída

Escrito e dirigido por Victor Salva (de filmes como Energia PuraPalhaço Assassino), o longa acompanha a viagem dos irmãos Darry (Justin Long) e Trish (Gina Philips), que estão voltando para casa nas férias. Em uma estrada pouco movimentada, eles são quase jogados para fora da pista por um caminhão em alta velocidade. Minutos depois, presenciam o motorista do veículo despejando o que parecem ser corpos na tubulação de esgoto de um igreja abandonada. Intrigados, os dois aproveitam a saída do sujeito para explorar o local e acabam encontrado centenas de cadáveres. A partir desse momento, eles passam a ser perseguidos por uma criatura misteriosa cujo apetite e sede de sangue parece não ter fim.

Sim, o enredo realmente não traz nada de novo – ele é a cara de clássicos do terror como O Massacre da Serra Elétrica, em que também temos um assassino em série perseguindo jovens na estrada. No entanto, Victor Salva confere alma própria ao filme, a começar pelos protagonistas. A fim de evitar qualquer tensão sexual entre os personagens (recurso muito comum e muitas vezes mal utilizado no cinema de terror), ele optou por escrever Darry e Trish como irmãos. E a relação entre os dois funciona graças ao talento dos atores. Se Justin Long entrega a melhor atuação do filme – a mudança de comportamento e a expressão facial dele ao descobrir a coleção de corpos são de um realismo assustador -, Dana Philips não fica muito atrás.

A cada 23 anos, durante 23 dias, ele desperta para se alimentar

Mas o grande atrativo de Olhos Famintos está em seu vilão: identificado como Creeper (Jonathan Breck), a criatura, ao mesmo tempo em que se veste como homem e dirige um caminhão, tem asas de morcego e age por instintos. É, na melhor das palavras, um demônio aparentemente indestrutível de um tempo perdido, que sai do sono a cada vinte e três anos para se alimentar de carne humana. O ótimo trabalho de maquiagem colabora para a construção do visual amedrontador do Creeper – inclusive, Justin Long e Dana Philips só foram autorizados a ver Jonathan Breck após ele estar totalmente caracterizado, de modo que a reação de espanto deles fosse a mais natural possível. O demônio do filme pode não chegar aos pés dos ícones Jason Voorhes, Freddy Krueger e Leatherface, mas está longe de ser esquecível.

O maquiador Brian Penikas transformando o ator Jonathan Breck no Creeper

Em uma rápida busca na Internet, é possível ver que a falta de explicações desagradou a alguns espectadores. Em nenhum momento, somos apresentados à origem e à verdadeira natureza do Creeper. Também não há uma explicação sobre os poderes da vidente Jezelle (Patricia Belcher) ou sobre a relação entre a música Jeepers Creepers e os ataques do vilão do filme. Entretanto, nesse ponto é importante entender que o desconhecido é um ingrediente essencial do terror: tememos muito mais aquilo que não entendemos. Sem respostas, o clima de mistério aumenta – e, com ele, o medo diante do incompreendido, do oculto, do não-explicado.

Outra crítica diz respeito ao fato de um demônio dirigir um caminhão, algo apontado como ilógico e absurdo. Porém, Salva mostra, mais uma vez, para que serve sua criatividade: o impacto de um assassino em série humano seria muito menor. Um homem com uma motosserra, além de nada original, não assustaria mais do que um predador diabólico e quase indestrutível.

Jonathan Breck e Justin Long em cena do filme

O roteiro é bastante simples, mas não falha em ser envolvente e despertar a curiosidade do público. Há dois ou três jump scares (recurso no qual surge um barulho ou alguma coisa na tela que pegue o espectador de surpresa) bem fracos. O que realmente amedronta é a cena final: ao som da música de Louis Armstrong, o cadáver de Darry surge na tela sem os olhos. Uma escolha perfeita de desfecho para a história.

Orçado em apenas dez milhões de dólares (o orçamento limitado foi um obstáculo a ser contornado pela produção), Olhos Famintos registrou uma bilheteria de 59 milhões de dólares ao redor do mundo. Por conta disso, uma continuação tornou-se inevitável, e, em 2003, o Creeper voltou ao cinema.

Olhos Famintos 2

Depois de aterrorizar os irmãos Darry e Trish, o Creeper agora faz de um time de basquete a sua vítima

Curiosamente, o diretor Victor Salva era contra a ideia de uma sequência desde o lançamento do primeiro filme: foi por isso que ele criou a história de que o monstro só aparece durante 23 dias a cada 23 anos. Devido às limitações orçamentárias, o estúdio jamais aprovaria uma continuação ambientada no futuro, já que isso exigiria despesas com efeitos especiais e design de produção. No entanto, Francis Ford Coppola – o diretor da aclamada trilogia O Poderoso Chefão que assinou como produtor-executivo dos dois filmes da série – encontrou uma alternativa: a sequência poderia se passar no 22º dia do mesmo intervalo de tempo do primeiro longa. Ou seja, os eventos de Olhos Famintos 2 ocorrem dias após o encontro dos irmãos Darry e Trish com o Creeper.

A nova história também não traz grandes novidades. Após disputar um torneio de basquete, um time universitário tem sua viagem interrompida por um estranho objeto que fura o pneu do ônibus em que estão. Presos numa estrada deserta, eles começam a ser mortos, um a um, pelo Creeper, que está em seu último dia de caça antes de adormecer novamente.

O personagem de Justin Long retorna nas visões de Minxie (Nicki Aycox)

Se, no primeiro filme, a dupla de protagonistas tinha carisma suficiente para sustentar a narrativa, a continuação traz um aglomerado de personagens descartáveis e incapazes de despertar empatia no público. Durante 104 minutos, assistimos à morte da maioria deles sem dar a mínima importância – é até mesmo difícil diferenciar um personagem do outro, tamanha a falta de identidade. Mesmo assim, ainda há cenas que tornam o filme um bom entretenimento. Entre elas, a assustadora parte em que a criatura fareja e escolhe as suas vítimas entre os jovens. O olhar compenetrado (que denuncia também um apetite voraz), os sussurros e a claustrofobia causada pelo confinamento no ônibus se destacam nessa cena.

Bem abaixo do filme original , essa continuação ainda erra ao mostrar demais o Creeper. O orçamento (17 milhões de dólares) é um pouco maior do que o primeiro, mas não garante bons efeitos especiais – logo, as sequências que trazem o monstro voando são risíveis até mesmo para a época e tiram toda a atmosfera sombria do momento. Victor Salva, talvez, deveria ter se inspirado em filmes como TubarãoAlien, o Oitavo Passageiro para causar medo e manter o ritmo por meio da fotografia, das sombras, dos ruídos e do recurso da câmera subjetiva, sem expor repetidamente a criatura. Como isso não acontece, o terceiro ato de Olhos Famintos 2 acaba virando uma aventura juvenil boba (e, dessa vez, não temos nem o caminhão e a música), cuja única presença interessante é a do fazendeiro interpretado por Ray Wise que, após ter o seu filho levado pelo grande morcego demoníaco, prepara o seu arsenal para caçá-lo. E é seguindo nessa linha que Salva mostra que, apesar dos tropeços, sabe fazer uma cena final, deixando a impressão de que o Creeper está longe de ser realmente derrotado. Impressão que, quatorze anos depois, se concretiza com o lançamento de um terceiro longa.

O que vem por aí em Olhos Famintos 3

Pôster do terceiro filme, previsto para ser lançado neste ano

Em 2015, Olhos Famintos 3 (tradução ainda não oficial para Jeepers Creepers 3: Cathedral) ganhou sinal verde da produtora Myriad Pictures e está previsto para ser lançado neste ano. Enquanto muitos sites já dão como certo o retorno de Justin Long e Gina Philips (os irmãos Darry e Trish do primeiro filme) ao elenco, faltam confirmações oficiais – a presença dos dois, por exemplo, ainda não consta no IMDB, conhecido por ser o maior banco de dados sobre cinema. É estranho o fato de haver tão poucas informações sobre um longa a ser lançado em questão de meses (fica a pergunta: será que ele vai ser adiado?).

Entretanto, a sinopse dá uma dica de que os atores podem, sim, aparecer. Na versão divulgada, esse terceiro filme vai trazer Trish como uma mulher rica e já adulta, que deu o nome do irmão – morto há 23 anos – ao seu filho. Ela tem um pesadelo recorrente em que o menino também é morto pelo Creeper (Jonathan Breck, já confirmado no papel). Decidida a evitar que isso aconteça, Trish sai em uma jornada para dar um fim definitivo à criatura, que desperta para mais uma temporada de caça.

O diretor Victor Salva retorna à direção da terceira obra da franquia que ele mesmo criou. Seu passado controverso está longe de ser esquecido pelo público

Victor Salva assina novamente a direção e o roteiro do longa. Salva, aliás, é alvo de uma campanha de boicote ao filme. Em 1988, durante as filmagens de Palhaço Assassino, o cineasta abusou sexualmente de um garoto de 12 anos do elenco, tendo gravado o ato. Como se não fosse o suficiente, ainda foram encontrados vídeos e revistas de pornografia infantil em sua casa. Ele foi condenado a três anos de prisão, dos quais só cumpriu 15 meses. Após sua soltura, ficou cinco anos longe do cinema, período no qual trabalhou com telemarketing e escreveu roteiros aos fins de semana. Seu retorno foi com o suspense Bad Company – Maus Companheiros, de 1995.

Em 2006, Salva fez um pronunciamento público sobre o tema enquanto promovia Poder Além da Vida. Na época, ele disse: “Eu me declarei culpado por um crime terrível e tenho passado o resto da minha vida tentando compensar o que fiz. Por quase vinte anos, eu me dediquei a ajudar os outros, fiz terapia e também fiz filmes. Eu paguei minha dívida com a sociedade e me desculpei com o garoto [que sofreu o abuso]. E tudo o que eu posso esperar é que as pessoas me deem uma chance de me redimir”.

Agora, o passado do diretor volta a assombrá-lo. Um abaixo-assinado publicado na plataforma Change.Org pede que as redes de cinema dos EUA não exibam o terceiro filme da série Olhos Famintos. “Peço para que as três maiores redes de cinema dos EUA não mostrem esse filme em suas salas. O lucro de Jeepers Creepers 3 irá para os bolsos de um pedófilo. Monstros pertencem às telas, não atrás das câmeras. Eu também imploro para que os membros da indústria dos filmes de terror tomem uma posição. Espalhem a mensagem e não assistam a esse filme”, diz um trecho do documento, que conta com 1.586 assinaturas até agora.

Curiosidades sobre a franquia:

  • A cena em que Darry e Trish testemunham o vilão despejando os corpos na tubulação de uma igreja abandonada foi inspirada pelo caso real de Dennis DePue, que assassinou sua esposa e foi visto perto de uma velha escola carregando lençóis cheios de sangue. Ele ainda foi identificado dirigindo em alta velocidade na estrada e batendo na traseira do carro de duas testemunhas por vários quilômetros.
  • O título original da franquia seria Here Comes the Boogeyman (Aqui vem o Bicho-Papão, em tradução literal).
  • O caminhão que aparece no primeiro filme pertence a um colecionador de Maryland, que o guarda em um armazém.
  • A audição de Jonathan Breck impressionou o diretor de tal forma que o ator foi imediatamente escalado como o Creeper (você pode ver um trecho do teste aqui).
  • O único momento em que o Creeper fala foi cortado do primeiro filme.

Placa do velho caminhão: “Be eating you”

  • A placa do caminhão do Creeper (BEATNGU) traz o significado oculto de Be eating you” (“Vou comer você”, em português), ao passo que a do carro de Darry e Trish (SVM) pode ser interpretada como “Save me” (“Me salve”, em português).
  • Debbi Morgan e Tina Turner foram cogitadas para o papel da vidente Jezelle.
  • Tom Tarantini faz dois personagens diferentes nos filmes Olhos Famintos Olhos Famintos 2. No primeiro, ele é o ladrão que é levado à delegacia e, na continuação, o assistente do técnico de basquete.
  • Em Olhos Famintos 2, uma transmissão no rádio informa sobre o incêndio em uma igreja. Trata-se de uma referência aos eventos do primeiro filme.
  • O diretor Salva faz uma participação especial no primeiro filme, como um dos corpos que aparecem no esconderijo do Creeper. Na continuação, seu rosto pode ser visto brevemente na página de uma revista.

Aproveite para ler também:

Cinco trilhas assustadoras de filmes de terror!

13 filmes para ver na sexta-feira 13!

O fantástico cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão!

Filmoteca do Horror Brasileiro, o maior acervo de filmes nacionais de horror!

 



Quem sou eu? Uma mistura de Walter Mitty com Forrest Gump. Um cara que tem vontade de fazer tudo o que Mark Renton fez em Trainspotting. Um cinéfilo que tem a certeza de que a vida não seria a mesma se não existisse o cinema. Diretor preferido? Assim fica difícil: amo de Zé do Caixão a Stanley Kubrick!