03
mar
2017
Pegue sua Toalha: “O Guia do Mochileiro das Galáxias”
Categorias: Livro e Filme • Postado por: Matheus Benjamin

O Guia do Mochileiro das Galáxias (que é o primeiro volume da trilogia de cinco) é um dos livros mais fascinantes e inteligentes que já li, dos personagens cativantes à escrita cômica do autor.

Livro: O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams. Arqueiro. 208 páginas. Skoob.

Filme: O Guia do Mochileiro das Galáxias, Garth Jennings de (2005). Roteiro de Douglas Adams e Karey Kirkpatrick, Disney e Touchstone Pictures.

Douglas Adams era britânico e infelizmente morreu em 11 de maio de 2001 em decorrência de um ataque cardíaco aos 49 anos de idade. Suas obras influenciaram diversos artistas, incluindo a trupe do Monty Phyton (programa em que ele desenvolvera diversas esquetes cômicas). A Netflix lançou recentemente uma série baseada em um de seus livros e fez um sucesso entre os fãs de seus escritos, a Dirk Gently’s Holistic Detective Agency traz Elijah Wood e Samuel Barnett nos papéis principais.

O Livro

Publicado em meados de 1979 (se estendendo até o final dos anos 80, começo dos 90) e tendo uma grandiosa recepção por parte do público, Douglas Adams imerge seu leitor ao narrar a saga de um terráqueo tentando desvendar os mistérios de uma tripulação maluca nos confins do espaço. É uma obra essencial para os amantes de ficção científica e de humor ácido, além disso é considerado um cânone da literatura nerd mundial e seu autor é celebrado até os dias atuais por essa grandiosa e interessante história.

Arthur Dent é um terráqueo muito ranzinza e muito preocupado com as coisas; ele é um típico inglês que adora tomar chá. Até que um dia sua casa acaba sendo demolida e ele resolve ir passear pela galáxia com seu amiguinho Ford Prefect (que na verdade não é um terráqueo como Dent pensava), já que o mesmo havia afirmado que a Terra também seria demolida. Ford Prefect estava de passagem pela Terra recolhendo informações diversas para o Guia do Mochileiro das Galáxias que segundo Ford, é o livro mais sensacional de todos os tempos. Também ficamos sabendo que este guia já foi escrito por várias mentes que pesquisaram pela galáxia todos os lugares mais legais, também os perigos e etceteras para que os mochileiros pudessem viajar em paz.

Da esqueda para a direita: Arthur Dent, Zaphod, Trillian e Ford.

Seguindo com a história, Zaphod Beeblebrox (presidente do Governo Imperial Galático) é apresentado, um dos personagens mais cativantes da trama já que ele é todo convencido, cheio de si e consegue arrancar risos de seus leitores por suas peculiaridades. Ele tem uma assistente bastante inteligente e perspicaz chamada Trillian McMillan. Outros personagens apresentados nesses momentos de progressão do livro são: o computador de Zaphod que vive interagindo com eles, falando, falando e quase não dizendo nada; e o androide depressivo Marvin que tem sua marca registrada com seus dentões verdes. O objetivo de toda essa galera é chegar em Magrathea, onde está um supercomputador chamado Pensador Profundo que anos atrás prometeu dar a resposta para a vida, o universo e tudo mais, mesmo ela não fazendo muito sentido, diversas pessoas procuraram por qual pergunta teria esse tipo de resposta e aparentemente Zaphod a possui.

A narrativa de Douglas Adams mescla a história desses personagens com altas referências ao Guia do Mochileiro propriamente dito. A maior parte da história se desenvolve dentro da nave espacial de Zaphod, na qual os personagens se conhecem e interagem das mais diversas formas. É preciso ter em mente que por se tratar de um livro peculiar e com uma narrativa não tanto convencional pode ser que poucos se identifiquem com a trama e acabem por gostar completamente dos aspectos fundamentais apresentados. É um livro com mais altos do que baixos e com diversos momentos de humor, que também não é convencional, já que ele está carregado do estilo britânico de se fazer rir e repleto de ironia.  É importante salientar que as referências sutis da cultura nerd estão todas contidas nesse primeiro volume que é seguido pelo Resturante no Fim do Universo, A Vida o Universo e tudo Mais, Até mais e Obrigado Pelos Peixes e Praticamente Inofensiva.

O Filme

Ao contrário do que sugeria, o filme de O Guia dos Mochileiro das Galáxias não compila todos os livros da série e é uma grande homenagem a Adams que havia falecido quatro anos antes do lançamento de seu lançamento e não pôde vê-lo finalizado. É dirigido por Garth Jennings (depois da desistência de Spike Jonze) e protagonizado por Martin Freeman no papel de Arthur Dent. O elenco ainda traz Zoey Dechanel como Trillian, Sam Rockwell como Zaphod, Mos Def como Ford Prefect e as participações maravilhosas de Stephen Fry como o Guia (e narrador do filme), Bill Nighy como Slartibartfast, John Malkovich como Humma Kavula e Alan Rickman emprestando sua voz e dramaticidade ao depressivo Marvin, que é comandado em cena por Warwick Davis. O ator Richard Griffiths também faz uma participação no longa como Vogon Jeltz e Hellen Mirren empresta sua voz ao Pensador Profundo.

Essa não é a primeira adaptação que o livro sofre. Além desse filme de 2005, há também uma série de TV desenvolvida pela BBC em 1981, dois jogos eletrônicos desenvolvidos de 1978 a 1980 (The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy Primary and Secondary Phases) e o outro de 2004 a 2005 (The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy Tertiary to Quintessential Phases) e ainda um sexto romance escrito por Eoin Colfer, autor da série Artemis Fowl, autorizado pela viúva de Adams, Jane Belson e foi publicado no 30º aniversário da publicação do primeiro livro da série em 12 de outubro de 2009, em uma edição em capa dura pela Penguin Books no Reino Unido.

Da esquerda para a direita: Zaphod, Trillian, Marvin e Ford.

O roteiro segue linearmente a trama apresentada no livro e introduz todos os personagens de forma bem satisfatória assim como Douglas Adams fizera anteriormente. Apesar de existirem pequenas diferenças por conta da adaptação, alguns acréscimos foram incluídos pelo próprio autor ainda em vida, pois ele assina o roteiro junto de Karey Kirkpatrick. Apesar de alguma ou outra perda de ritmo durante o desenvolvimento das tramas, o filme é bastante divertido e tem um tom bastante ácido em seu humor, transpondo para a tela um pouco do que fora imaginado por Adams durante a escrita dos romances. Há de se elogiar a direção de arte pela criação de todo esse universo com contrastes notáveis na paleta de cores. As atuações são pontos fortes do longa e todos os personagens divertem e trazem ao espectador que já tenha lido o livro algo a mais sobre o que já conhecem. Destaque para os momentos onde a nave sofre alterações na matéria, tudo fica mais divertido de se acompanhar.

Sendo eficiente em sua proposta, O Guia do Mochileiro das Galáxias (filme) não deve em nada ao seu material base e proporciona um despretensioso  e descontraído entretenimento a quem quiser. No mais, pegue sua toalha e não entre em pânico!

Leia Também:

“Sob a Redoma” – O microcosmo de Stephen King

“Como Star Wars Conquistou o Universo” – Uma História Star Wars

Afinal, Azul é a Cor Mais Quente?

Atlas de Nuvens e A Viagem



Fã de Miyazaki, Aïnouz, Salles, Mendonça Filho, Von Trier, Thomas Anderson, Haneke e Bergman. Dirigi dois curta-metragens "A-MA-LA" e "Senhor Linux e sua Incrível Barba", ambos pela Pessoas na Van Preta Produções.