29
mar
2017
“Star Wars: The Clone Wars”: tudo o que a segunda trilogia não foi!
Categorias: Especiais • Postado por: Convidado Especial

No texto sobre a segunda trilogia de Star Wars (Episódios I, II e III), cheguei à conclusão de que esses filmes são melhores do que muitos fãs da franquia consideram, mas que pecavam em alguns aspectos, como não explorar devidamente o cenário no qual estavam inseridos, as Guerras Clônicas.

Acredito que também faltou mostrar mais profundamente os vilões, o campo de batalha (sobretudo o confronto entre clones e droides) e ainda os diversos planetas e raças existentes no universo Star Wars, etc.

Foi então que resolvi assistir a uma das séries animadas canônicas do universo Star Wars, chamada The Clone Wars. Após terminar de ver a série, cheguei à conclusão de que ela fez tudo o que faltou à segunda trilogia e muito mais.

Contextualizando, The Clone Wars é uma série animada de seis temporadas (com um total de 121 episódios de 22 minutos de duração) produzida pela Lucasfilmlançada em outubro de 2008, que se passa no universo de Star Wars, entre os Episódios II e III.

Para quem não se lembra, ao final do Episódio II – O Ataque dos Clones, as Guerras Clônicas (confronto entre a República e a Aliança Separatista) estavam tendo início. Contudo, logo no começo do Episódio III – A Vingança dos Sith, a guerra já está se encaminhando para o seu final. Ocorrem algumas batalhas durante o filme, mas muito pouco da guerra é de fato mostrado. The Clone Wars aparece para preencher um pouco desse espaço entre os Episódios II e III.

No entanto, em agosto de 2008, foi lançado um filme animado homônimo à série, Star Wars: The Clone Wars, que serve como uma espécie de introdução para a série. O filme conta com diversos personagens que estarão presentes em The Clone Wars, como os já conhecidos Anakin Skywalker, Obi-Wan Kenobi, Conde Dooku, e também apresenta novos personagens, como a Padawan de Anakin, Ahsoka Tano, e a assassina e discípula de Conde Dooku, Asaj Ventress.

Mas você deve estar se perguntando, vale a pena assistir à série? Chega a ser do nível dos filmes? Ela traz novidades à franquia ou é mais do mesmo? Vamos a alguns tópicos que, na minha opinião, fazem The Clone Wars ser até melhor do que vários dos filmes de Star Wars.

Personagens

Os primeiros pontos a serem destacados são: a profundidade em que foram explorados diversos personagens que não tiveram muito destaque nos filmes e também os novos que a série apresenta.

Vamos começar pela principal nova personagem da franquia, Ahsoka Tano. Ahsoka é uma jovem Togruta (raça dos nascidos no planeta Shili), que se tornou a Padawan de Anakin Skywalker, a pedido do mestre Yoda.

Uma das protagonistas da série, ela é extremamente habilidosa em combate e no domínio da Força,  lembrando muito seu mestre, Anakin Skywalker, quando mais jovem – tanto por suas habilidades quanto por sua personalidade forte e, em muitos casos, imprudência.

Ahsoka participa de várias batalhas memoráveis ao longo da série. Ela chega a enfrentar por conta própria inimigos poderosos como Ventress e o General Grievous.

Além de lutas, Ahsoka participa de vários momentos marcantes na série, como uma inesquecível trama de um traidor entre os Jedi e várias ocasiões em que desobedeceu ordens de seus superiores por julgar estar fazendo a coisa certa.

Ahsoka destacou-se tanto na série que, mesmo sem aparecer em nenhum dos filmes, acabou se tornando uma das personagens favoritas dos fãs de Star Wars.

O protagonista da segunda trilogia de Star Wars, Anakin Skywalker, é outro que se destaca muito em The Clone Wars. O personagem que foi duramente criticado nos filmes pela atuação de Hayden Christensen pôde mostrar o seu melhor na série animada. Como não havia dependência da qualidade da atuação de Christensen, foi muito mais fácil desenvolver o personagem da maneira desejada.

Anakin participa de vários duelos marcantes em The Clone Wars. Ele enfrenta várias vezes o Conde Dooku, o General Grievous, Ventress e outros inimigos. Além de lutas, Anakin também demonstra todo o seu talento como piloto em batalhas espaciais memoráveis, participa de missões de investigação, comanda seu esquadrão de clones em diversas batalhas, etc.

Mas Anakin não é explorado na série apenas por suas habilidades em combate. Ele também recebe grande destaque pelos seus relacionamentos pessoais, como sua experiência em ser pela primeira vez mestre de uma Padawan, sua amizade com Obi-Wan e Ahsoka, seu relacionamento com Padmé. Todas essas relações são profundamente exploradas em The Clone Wars.

Outro ponto importante sobre Anakin na série são momentos em que ele foi tentado pelo lado sombrio da Força, e não foram poucos. Ele chegou a assassinar inimigos que não representavam mais perigo, utilizou tortura para conseguir informações, envolveu-se em brigas por causa de seu relacionamento com Padmé, desobedeceu ordens do Conselho Jedi, cedeu à raiva diversas vezes, etc.

E outros momentos interessantes, principalmente para os amantes da trilogia original, foram os encontros de Anakin com o jovem general Tarkin, que até então servia à República, e também a sua lealdade quase cega ao Chanceler Palpatine. Foi interessante ver Anakin relacionando-se com figuras tão importantes do Império antes mesmo de este existir.

Obi-Wan Kenobi é mais um dos protagonistas de The Clone Wars. Ele, que é um personagem já muito aclamado nos filmes, também agradou em sua participação na série animada.

Obi-Wan participou de diversos conflitos com o General Grievous, o Conde Dooku, etc. Contudo, seus momentos mais marcantes em batalha foram com outro inimigo, que não posso revelar neste texto, pois seria um grande spoiler da série. Basta dizer que é um personagem que por si só já é motivo o bastante para valer a pena assistir à série.

Obi-Wan é um mestre Jedi que, além de muito sábio e poderoso, demonstrou ser muito astuto e criativo durante a guerra. Ele se viu em situações nas quais teve que se associar com piratas, participou de missões onde teve que agir como espião, teve que lidar com situações em que foi feito prisioneiro, etc.

Algo muito interessante que também é abordado na série é o lado mais “humano” de Obi-Wan. Além de ser um mentor tanto para Anakin quanto para Ahsoka, pela primeira vez as emoções de Obi-Wan são exploradas. Ao longo da série, ele vive uma espécie de “relacionamento” com a duquesa Satine, de Mandalore. Não chega a ser algo concreto, como o caso de Anakin com Padmé, mas foi interessante ver que Obi-Wan não é um mero Jedi que não possui emoções.

Vários outros personagens, que foram pouco explorados nos filmes, ganharam espaço em The Clone Wars. É o caso de Mestre Yoda, Mace Windu, Padmé, R2-D2, C3PO, entre outros. Vários episódios da série são destinados exclusivamente a esses personagens, e abordam as tramas individuais de cada um deles. Isso acabou sendo uma forma interessante de “fugir” um pouco do protagonismo de Anakin e Obi-Wan e trazer novas histórias à franquia.

Vilões

Como já disse anteriormente, The Clone Wars se passa entre os Episódios II e III, ou seja, como o nome sugere, se passa durante as Guerras Clônicas. Essa guerra é entre a República, que é liderada pelo Chanceler Palpatine, e a Aliança Separatista, que é liderada pelo Conde Dooku. Este é, sem dúvida, o principal antagonista da série.

Conde Dooku é um Lorde Sith também conhecido como Darth Tyranus. No entanto, antes disso ele havia sido um mestre Jedi durante mais de 70 anos. Ele inclusive foi o mestre de Qui-Gon Jinn, Jedi que posteriormente foi o mestre de Obi-Wan Kenobi.

Qui-Gon apareceu no Episódio I de Star Wars, e acabou assassinado por Darth Maul, e este, por sua vez, veio a ser derrotado por Obi-Wan.

Mas o que tudo isso tem a ver com Dooku? Vale lembrar que Darth Maul era o aprendiz do mais poderoso Lorde Sith da época, Darth Sidious.  Após os eventos do Episódio I, Dooku substituiu Maul como o aprendiz de Sidious, e tornou-se então Darth Tyranus. A partir daí, ele tornou-se um Lorde Sith extremamente sábio e poderoso, e também o líder da Aliança Separatista.

Em The Clone Wars, Dooku é o vilão que mais aparece, e pode ser tranquilamente classificado como o principal antagonista da série. Ele enfrentou Cavaleiros Jedi – sobretudo Obi-Wan e Anakin -, mas não se limitou a entrar em conflito com a República, pois também teve de enfrentar piratas, assassinos e até bruxas (sim, pela primeira vez nas obras canônicas de Star Wars bruxas são mostradas).

Além das batalhas, Dooku também ganha destaque na série por causa de sua relação com o seu mestre, Darth Sidious. Ao mesmo tempo em que é o líder da Aliança Separatista, extremamente poderoso e impiedoso, Dooku é totalmente submisso ao seu mestre. Nas diversas cenas em que os dois interagem, fica nítida a obediência e o temor que ele tem de Sidious.

Darth Sidious é, sem sombra de dúvidas, o vilão mais poderoso e sábio já retratado nos filmes de Star Wars. E como se não bastasse ser um Lorde Sith de tamanho poder, ele, utilizando-se de sua dupla identidade de Palpatine, foi quem arquitetou toda a queda da República, a ascensão do Império e a transformação de Anakin Skywalker em Darth Vader.

Sidious é tão engenhoso que conseguiu, ao mesmo tempo, estar no comando tanto da República, no cargo supremo de chanceler, quanto da Aliança Separatista, ordenando as ações de Conde Dooku e ditando o rumo que a guerra deveria tomar. Ele conseguiu disfarçar a sua presença mesmo com todo o Conselho Jedi ao seu redor – e ainda se aproximou o bastante de Anakin para aos poucos fazê-lo sucumbir ao lado negro da Força.

Em The Clone Wars, Darth Sidious não aparece tanto quanto outros vilões (apesar de fazer muitas aparições como chanceler Palpatine). No entanto, nas vezes em que apareceu, definitivamente roubou a cena.

Essas aparições de Sidious foram em momentos muito importantes da série, sendo ele responsável por muitas reviravoltas na história (logo é muito difícil falar sobre elas sem contar spoilers). Mas o que posso dizer é que Sidious é responsável por algumas traições, ordens de assassinato e sequestro e também por um dos duelos de sabre de luz mais espetaculares de todos os episódios.

General Grievous, o comandante do exército separatista, é outro vilão que aparece muito em The Clone Wars. Ele não é sensitivo à Força, mas é habilidoso no manejo de sabres de luz (afinal, foi treinado pelo Conde Dooku).  É extremamente cruel e impiedoso com seus inimigos, possui um temperamento explosivo e é um exímio general de guerra, essencial à Aliança Separatista.

Nem todos sabem, mas Grievous não é um droide, ele é um kaleesh (nascido no planeta Kalee) que teve o corpo despedaçado numa explosão (cuja culpa foi colocada na República). Seus restos mortais foram colocados num corpo de droide, feito com tecnologia geonosiana. Desde que acordou em seu novo corpo, Grievous jurou matar todos os Jedi que encontrasse.

Em The Clone Wars, Grievous aparece muito a bordo de Destroyers (aquelas gigantescas naves espaciais) separatistas, liderando ataques e participando de diversas batalhas espaciais. Ele também esteve presente em muitas batalhas, e chegou a derrotar diversos cavaleiros Jedi.

Como todos sabem, Grievous aparece no Episódio III de Star Wars, em que acaba sendo morto pelo Mestre Obi-Wan Kenobi. The Clone Wars aproveita-se muito bem desse fato para criar uma espécie de “rivalidade” entre os dois personagens, que acabam se enfrentando muitas e muitas vezes ao longo da série.

Asaj Ventress é uma das novas personagens introduzidas em The Clone Wars. Ela não aparece em nenhum dos filmes da franquia, mas é tão bem explorada na série que acabou se tornando uma das vilãs favoritas dos fãs de Star Wars.

Ventress é uma dathomiriana (nascida no planeta Dathomir) que foi escrava na infância. Posteriormente ela foi treinada como uma Jedi, mas sucumbiu ao lado negro da Força após a morte de seu mestre. A partir daí, tornou-se uma assassina poderosa a ponto de chamar a atenção do Conde Dooku, que a acolheu como aprendiz.

Ventress foi treinada nas artes do lado negro e tornou-se extremamente habilidosa no manejo do sabre de luz e no uso da Força. Ela passou a utilizar dois sabres vermelhos, recebidos de seu novo mestre.

Em The Clone Wars, Ventress participou de muitas batalhas, enfrentou diversos cavaleiros Jedi e até esteve frente a frente com o Mestre Yoda.

Ela também fez parte de vários momentos cruciais da série, que não posso revelar para não estragar a experiência de quem ainda não assistiu.  Mas posso dizer que Ventress eventualmente retorna ao seu planeta natal, Dathomir, um planeta habitado pelas Irmãs da Noite (bruxas malignas usuárias do lado negro da Força) e por Zabraks (seres da raça de Darth Maul), para reencontrar suas irmãs. Lá ela acaba participando de uma das melhores batalhas da série.

Um dos vilões mais queridos dos fãs de Star Wars é Boba Fett. Ele é visto na trilogia clássica e, mesmo sem aparecer em muitas cenas e quase não ter falas, acabou se tornando um dos vilões mais carismáticos da franquia.

Boba Fett é um clone inalterado do caçador de recompensas Jango Fett. Por ser um clone inalterado, ele envelhece da mesma forma que qualquer ser humano (diferente dos clones usados no exército da República, que têm um crescimento acelerado). Boba foi criado dessa forma a pedido do próprio Jango Fett, que queria um herdeiro, e portanto o criou como se fosse um filho.

Jango Fett e Boba (ainda muito jovem) aparecem no Episódio II de Star Wars. Na Batalha de Geonosis, Jango acaba sendo morto em combate por Mace Windu. Boba viu o ocorrido e a partir de então ficou sem o seu “pai”.

Em The Clone Wars, Boba reaparece um pouco mais velho, dando seus primeiros passos para se tornar um temido caçador de recompensas. No entanto, ainda é muito inexperiente na série: acaba cometendo alguns erros, se associa às pessoas erradas, perde algumas batalhas, etc.

Outro caçador de recompensas que está presente em The Clone Wars é Cad Bane. Ele é um vilão que não aparece em nenhum dos filmes da franquia, e faz a sua primeira aparição justamente na série animada.

Depois da morte de Jango Fett, Bane tornou-se o principal caçador de recompensas da galáxia no período das Guerras Clônicas. Ele não tem lealdade a ninguém, só se importa com o seu pagamento. Chegou a ser contratado pelo Conde Dooku e até pelo próprio Darth Sidious para algumas missões.

Em The Clone Wars, Bane entrou em conflito com diversos cavaleiros Jedi. Chegou a ser capturado e preso, mas aproveitando-se de circunstâncias minimamente favoráveis conseguiu fugir. É extremamente inteligente e impiedoso com quem se coloca no seu caminho. Aproveita qualquer oportunidade para tirar vantagem própria.

Durante a série, cumpriu missões de sequestro, assassinato e tudo o que se espera de um bom caçador de recompensas. Entrou em batalha com Obi-Wan, Anakin e Ahsoka várias vezes. Foi mais um personagem que conquistou os fãs de Star Wars sem nem ao menos aparecer nos filmes.

Falei acima sobre alguns dos principais vilões de The Clone Wars, mas há ainda muitos outros. Inclusive, há outro vilão importantíssimo para a história de Star Wars presente na série. Talvez ele seja um dos pontos mais altos de The Clone Wars. No entanto, não revelarei quem é, pois seria mais um spoiler gigantesco.

A Guerra

Talvez o principal problema da segunda trilogia de Star Wars tenha sido não explorar tanto o ambiente de Guerras Clônicas quanto poderia. Os filmes tiveram poucas cenas que mostravam o campo de batalha. Mas, felizmente, The Clone Wars veio a ser a solução para este problema.

Diferente do que acontece nos filmes, a série animada aborda muito o conflito entre clones e droides por meio de várias cenas que mostram o campo de batalha. Muitos episódios são voltados exclusivamente para os clones – e estes, que são considerados por muitas pessoas apenas soldados descartáveis, demonstram um lado mais humano ao longo da série. Eles provam que não são apenas soldados ou números: são homens, e a vida de cada um deles é tão valiosa quanto a de qualquer outra pessoa.


Essa abordagem mais profunda que The Clone Wars faz dos clones permitiu que personagens já conhecidos pelos fãs da franquia, como os comandantes Cody e Rex, ganhassem mais espaço e protagonismo do que recebem nos filmes.

Além disso, foi possível o surgimento de outros personagens importantes em meio aos clones, como os soldados Fives, Tup, Echo, Wolfe, etc. Todos eles aparecem muito na série, participando de batalhas, sendo enviados em missões da República e até envolvendo-se em pontos de grande importância da história. Eles provam várias vezes ao longo da série que são essenciais à República, vencendo batalhas muitas vezes até sem a ajuda de cavaleiros Jedi.

Outro ponto interessante a se destacar em The Clone Wars são os droides. Esses robôs de guerra, além de combater os clones e os Jedi, também cumprem uma função de alívio cômico na série.

Teoricamente os droides não deveriam pensar ou possuir personalidade, apenas seguir ordens. Nos filmes eles são retratados justamente dessa forma, mas em The Clone Wars eles possuem um certo “senso de humor” e acabam tendo atitudes e falando frases engraçadas, principalmente quando estão prestes a serem destruídos.

A série faz uso de uma certa “licença poética” para que isso seja possível e torne a experiência de quem está assistindo mais divertida. É a prova definitiva de que a função de alívio cômico no universo Star Wars deve ser atribuída a droides, como R2, C3PO, BB8, e não a Ewoks ou ao polêmico Jar Jar Binks.

Neste texto falei sobre muitas coisas que estão presentes em The Clone Wars, mas há várias outras que não comentei, com o intuito de evitar spoilers.

Personagens supostamente mortos “voltando à vida”, assassinatos, traições, duelos inéditos de sabre de luz, batalhas espaciais fantásticas, exploração de muitos planetas e raças do universo Star Wars, referências aos filmes, tudo isso e muitas outras coisas fazem parte da série animada.

Relembrando que The Clone Wars possui 6 temporadas, com um total de 121 episódios de 22 minutos de duração, o que totaliza quase 45 horas de Star Wars. Essa margem de tempo tão grande possibilitou que a série explorasse com bastante profundidade os personagens já conhecidos e introduzisse outros que acabaram caindo nas graças dos fãs.

Há vários episódios que contam pequenas histórias envolvendo um personagem específico e também arcos (sequências de 3 ou 4 episódios) que contam histórias mais aprofundadas, geralmente envolvendo elementos mais importantes da saga. Alguns mostram o processo de iniciação de jovens Padawans, o processo de treinamento dos clones para se tornar soldados, cavaleiros Jedi sendo enviados em importantes missões da República, entre outras histórias.

The Clone Wars é uma série que supera, em muitos aspectos, vários dos filmes da franquia lançados até agora. Sem dúvida, uma experiência imperdível para os fãs de Star Wars.

Autor do texto: Matheus Zampieri.

Aproveite para ler também

Como Star Wars conquistou o Universo!

Especial Olhos Famintos!

As Aventuras de Fujiwara Manchester, a nova série da TV Cultura!

Cinco trilhas arrepiantes de filmes de terror!



Olá, sou um convidado especial para posts igualmente especiais no Pipoca Radioativa!