14
abr
2017
Grandes Cenas do Cinema #4: “O Rei Leão”
Categorias: Grandes Cenas do Cinema • Postado por: Marcelo Silva

O Rei Leão é um dos filmes obrigatórios do cinema. É difícil encontrar alguém que não tenha assistido pelo menos uma única vez – e quem nunca viu costuma ser alvo de piada. Junto com Mogli, Procurando Nemo, Monstros S.A. e Os IncríveisO Rei Leão foi uma das animações que moldaram a minha infância. E ela não poderia deixar de aparecer na Grandes Cenas do Cinema, coluna que eu, agora adulto, dedico aos trechos e momentos que mais me marcaram, independente se o filme é um clássico em preto e branco, uma animação da Disney ou um blockbuster recém-lançado.

Como é impossível separar apenas uma cena de O Rei Leão, é bem provável que ele vai voltar a aparecer por aqui mais vezes. Mas hoje o destaque fica por conta de Se Preparem, canção em que Scar arquiteta com as hienas o golpe contra Mufasa. Trata-se de um momento carregado de simbolismos, em que tudo lembra um governo autoritário, desde o discurso do vilão até a disposição das tropas que marcham (uma alusão clara ao exército fascista de Mussolini). Há ainda quem enxergue a suástica sendo formada pelas hienas, além do símbolo do comunismo no momento em que Scar canta com a Lua ao fundo.


Por isso eu disputo
E por isso eu luto
O trono terá que ser meu!
Que os amigos não me desamparem
Se preparem!

(Que os amigos não me desamparem)
Se preparem!

Normalmente, evito filmes dublados, mas, como vejo O Rei Leão em português desde que era criança, as vozes originais me parecem menos espontâneas do que as do dubladores. E aí temos que reconhecer o trabalho do já falecido Jorgeh Ramos, que conseguiu trazer, em sua voz, toda a maldade de Scar. Quando nos damos conta, estamos cantando junto com ele e as hienas!

Aproveite para ler também:

Grandes Cenas do Cinema #1: “O Grande Ditador”

Grandes Cenas do Cinema #2: “Dançando no Escuro”

Grandes Cenas do Cinema #3: “Central do Brasil”

Entrevista: Luiz Antônio Lobue, o dublador do Dr. House, do Piccolo e de muitos outros!



Quem sou eu? Uma mistura de Walter Mitty com Forrest Gump. Um cara que tem vontade de fazer tudo o que Mark Renton fez em Trainspotting. Um cinéfilo que tem a certeza de que a vida não seria a mesma se não existisse o cinema. Diretor preferido? Assim fica difícil: amo de Zé do Caixão a Stanley Kubrick!