27
abr
2017
Grandes Cenas do Cinema #7: “Lavoura Arcaica”
Categorias: Grandes Cenas do Cinema • Postado por: Marcelo Silva

*Este post contém spoilers do filme Lavoura Arcaica

Depois de falar dos clássicos Sindicato de Ladrões e Taxi Driver, a coluna Grandes Cenas do Cinema se volta para uma verdadeira pérola nacional: Lavoura Arcaica (2001), longa baseado na genial obra de Raduan Nassar.

A história é narrada em primeira pessoa por André (Selton Mello, em uma das melhores interpretações já vistas na sétima arte), que foge de casa em busca de vida nova na cidade. Quando é encontrado por seu irmão Pedro (Leonardo Medeiros), ele revela as razões por trás da fuga: entre elas, o caso de amor com a sua própria irmã Ana (Simone Spoladore) e o autoritarismo do pai (Raul Cortez).

O principal mérito do diretor e roteirista Luiz Fernando Carvalho foi manter-se extremamente fiel ao romance de Nassar – que, para muitos, seria considerado “inadaptável” por sua linguagem. Assim, a grande cena de hoje é a reprodução precisa do que é mostrado no livro: a narração de André, a dança provocativa da sua amada, a reação de choque dos convidados da festa e, por fim, o assassinato.


 Tudo isso é mostrado pela estilo inquieto de direção de Luiz Fernando Carvalho, pela entonação perfeita de Selton Mello, pela entrega de Simone Spoladore ao papel (sua personagem, aliás, não tem uma única fala no filme) e pela trilha memorável de Marco Antônio Guimarães. A cena ideal para o desfecho de um filme com potencial de gerar boas discussões sobre patriarcalismo, machismo, repressão, família, união e incesto.

 

 

Aproveite para ler também:

Grandes Cenas do Cinema #1: O Grande Ditador

Grandes Cenas do Cinema #2: Dançando no Escuro

Grandes Cenas do Cinema #3: Central do Brasil

Grandes Cenas do Cinema #4: O Rei Leão



Quem sou eu? Uma mistura de Walter Mitty com Forrest Gump. Um cara que tem vontade de fazer tudo o que Mark Renton fez em Trainspotting. Um cinéfilo que tem a certeza de que a vida não seria a mesma se não existisse o cinema. Diretor preferido? Assim fica difícil: amo de Zé do Caixão a Stanley Kubrick!