20
maio
2017
Netflix Radioativa 5# – “Sob a Sombra” e “Bloodline”
Categorias: Netflix Radioativa • Postado por: Marcelo Silva

Depois de falar FrankBates Motel, a Netflix Radioativa volta com mais duas dicas do que ver neste final de semana. Se você é aquele tipo de pessoa que passa horas revirando o catálogo dessa plataforma de streaming sem se decidir sobre o que vai assistir, a quinta edição da nossa coluna pode te ajudar!

Filme

Sob a Sombra (também traduzido para o português como À Sombra do Medo) é muito mais do que um terror com sustos e boas doses de tensão. Dirigido e roteirizado pelo iraniano Babak Anvari,  o longa tem como protagonista Shideh (Narges Rashidi) e se passa no ano de 1988, em Teerã, capital do Irã. Ao mesmo tempo em que lida com suas frustrações profissionais – por ter participado de movimentos contra o governo no passado, ela foi impedida de terminar a faculdade de Medicina -, Shideh precisa tomar conta da filha pequena em um país em guerra com o Iraque. A rotina de bombardeios que ela e a pequena Dorsa (Avin Manshadi) enfrentam só fica pior quando um espírito maligno passa a assombrar o apartamento da família, tornando suas vidas um verdadeiro inferno.

Premiado no BAFTA de 2017, Sob a Sombra é um filme que sabe fazer uso do contexto político do Irã na década de 1980 para retratar a paranoia provocada pela guerra – bem como a opressão vivida por mulheres de países regidos por leis islâmicas. Opressão que, infelizmente, ainda é realidade. Contando com atuações bastante convincentes, uma montagem que faz o espectador sentir o desequilíbrio psicológico da protagonista e uma fotografia e direção de arte que estabelecem com perfeição o ambiente angustiante e caótico do apartamento, o longa de Babak Anvari é um ótimo exemplar do gênero terror. (Por Marcelo Silva)

Série

Hoje a Netflix já se consolidou como uma das maiores realizadoras de ficção seriada, oferecendo para seu público uma gama de séries dos mais variados temas. Em seus primórdios, muitas produções se destacaram, como foi o caso de Bloodline, lançada em 2015.

A série explora o universo da família Rayburn. Eles moram em uma ilha da Flórida e são considerados influentes em sua comunidade. Quando Danny (Ben Mendelsohn), a ovelha negra da família, volta para a casa, causa um escândalo na celebração dos 45 anos do grande hotel da família e os segredos do passado e as falhas de todos os outros irmãos vêm à tona.

O que mais impressiona em Bloodline é a força da sua narrativa, com diálogos fortes e diretos e situações que surgem no desencadeamento de cenas. Além disso, a forma como a história é contada acontece de uma maneira inusitada, revelando no final do primeiro episódio o clímax da espinha dorsal da série. Dessa forma, nós não buscamos saber  o que vai acontecer em seu final e sim como aconteceu – o que revela um roteiro maduro e forte. Além do enredo, a produção possui uma fotografia belíssima da região. Os atores são afinados e têm muita química em cena, fazendo desse drama familiar uma obra que merece ser vista. (Por Raphael Cancellier)

Aproveite para ler também:

Netflix Radioativa 1# – “Hope” e “Lovesick”

Netflix Radioativa 2# – “Delirium” e “Caçadores de Trolls”

Netflix Radioativa 3# – “The Propaganda Game” e “The Get Down”

Netflix Radioativa 4# – “Frank” e “Bates Motel”



Quem sou eu? Uma mistura de Walter Mitty com Forrest Gump. Um cara que tem vontade de fazer tudo o que Mark Renton fez em Trainspotting. Um cinéfilo que tem a certeza de que a vida não seria a mesma se não existisse o cinema. Diretor preferido? Assim fica difícil: amo de Zé do Caixão a Stanley Kubrick!