09
jun
2017
Netflix Radioativa 8# – “A Mosca” e “The OA”
Categorias: Netflix Radioativa • Postado por: Rafael Hires

Depois de recomendarmos um dos melhores trabalhos dos irmãos Cohen e, simplesmente, a melhor série do mundo (desistam,  não existe nada melhor que isso), hora de entrarmos de cabeça essa semana no mundo da ficção científica.

Então, bora lá ver o que escolhemos pra vocês, queridos leitores, para esse fim de semana.

Filme

Um dos poucos exemplos onde uma refilmagem consegue ser superior ao seu, por assim dizer, material fonte é A Mosca, de David Cronenberg, produção lançada em 1986. Baseada no filme A Mosca da Cabeça Branca, de 1958 e levemente similar ao conto A Metamorfose, de Franz Kafka, o filme conta a história de Seth Brundle (Jeff Goldblum), um físico que tem como hobby construir uma máquina de teletransporte com peças não utilizadas de outros inventos. Seth durante uma convenção para cientistas acaba conhecendo e se envolvendo com Veronica Quaife (Geena Davis) uma jornalista investigativa. Depois de um surto de genialidade, Seth consegue aprimorar sua máquina, fazendo o teleporte ser possível. Mas ao decidir testar em humanos, Seth não percebendo acaba adentrando na máquina  junto com uma mosca. A máquina fica confusa na hora de fazer o transporte e acaba fundindo os dois.

Apesar de ser uma premissa relativamente manjada, visto que, cientista louco desenvolve máquina revolucionária, acaba se testando e comprometendo sua própria integridade física, ele é genial, visto que Cronenberg faz essa refilmagem ser um relativo upgrade quando comparado com seu material de origem.

Mesmo na versão original Vincent Price abrilhantar com mais uma atuação magistral, Jeff Goldblum e Geena Davis tem muito mais química em cena, além do diretor seguir uma linha de terror com muito mais sangue, entranhas, membros sendo decepados e outros tipos de nojeira. Ele consegue fazer até mesmo o mais viciado fã do torture porn, gênero estabelecido em 2004, com a chegada de Jogos Mortais, dirigido por James Wan (Invocação do Mal 2) se animar com as cenas super gráficas até sua época de lançamento. O filme também foi responsável por fazer Jeff e Geena ficarem ainda mais em evidência.

Série

The OA é uma série muito interessante. Ficção científica até a alma. Quando uma garota cega some misteriosamente de uma cidade, a comunidade fica inteiramente alvoroçada. Depois de sete longos anos sumida, ela acaba retornando a cidade acaba encontrando seus entes queridos. Mas agora ela retorna se autointitulando OA, cheia de cicatrizes em suas costas e o mais impressionante: possui a habilidade de enxergar.

Obviamente, tem vários clichês como se recusar a falar com as autoridades sobre o que aconteceu durante o tempo que esteve fora, a união mágica com um grupo de pessoas e o inicio de uma aventura que mudará a vida dela e dos envolvidos. Mas vale muito pelo valor diversão. Boa pra ser vista em uma sentada. Durará, no mínimo, mais uma temporada e acho que, com sorte, terá uma sobrevida maior que Sense8. #descanseSense8.



Fã alucinado da sétima, oitava e nona arte, decidi me aprofundar em seus conhecimentos ao entrar na faculdade. Faltando pouco menos de 1 ano para a formatura, espero sempre o melhor filme possível.