24
jul
2017
Crítica: “This is us” (1ª temporada)
Categorias: Séries de TV • Postado por: Gabriella Almeida

This is us

Dan Fogelman, 2016
Roteiro: Dan Fogelman
18 episódios (45 min.)
NBC

5

Em sua primeira temporada, This is us já fez um estrondoso sucesso, rendendo recordes de audiência e diversas indicações a prêmios cobiçados, como Globo de Ouro e o Emmy. O sucesso do seriado, que possui um enredo diferente da maioria das séries de sucesso, veio para confirmar que o público está disposto a ver conteúdos que fogem do “tradicional”.

A série, que inicialmente retrata a história de pessoas que nasceram no mesmo dia e como elas se relacionam entre si, acaba por se mostrar muito mais que isso. Com o desenvolver dos episódios, percebemos que se trata de uma “história real”, que apesar de contada de forma ficcional, faz com que o espectador se identifique com diversas situações e pare para refletir acerca das diversas questões sociais que fazem parte do enredo.

O primeiro episódio mostra a vida de pessoas no dia de seus aniversários -que, coincidentemente, é o mesmo. Inicialmente, tudo parece meio estranho e sem conexão; porém, quando o capítulo vai chegando ao seu final, o fio condutor que une todas as histórias fica evidente e o espectador descobre um fato que o deixa curiosíssimo para continuar assistindo a série.

Ao passo que a narrativa vai se desenvolvendo, diversos temas são abordados de maneira delicada, mas não deixam de ser relevantes para a história. Questões como gordofobia, racismo, bullying, adoção e morte são retratadas de maneira tão sutil que, aliado a uma trilha sonora composta por músicas mais lentas e de forte apelo emocional, fazem com que os espectadores mais emotivos derramem diversas lágrimas (o que, inclusive, fez com que os fãs da série criassem o bordão “se não me fez chorar, não é This is us“).

A história não é contada de maneira linear, uma vez que em alguns momentos a cronologia da narrativa é cortada a fim de mostrar situações do passado que culminaram para determinados acontecimentos na vida presente dos personagens. Além disso, praticamente todos são muito bem construídos e profundos, de forma que, apesar de relacionados, cada um possui uma história e uma luta pessoal –enquanto Kate tenta perder peso, Randall deseja encontrar seu pai biológico e Kevin faz de tudo para ser reconhecido como um ator talentoso.

Como resultado de uma combinação perfeita entre roteiro bem escrito, trilha sonora eficiente e atuações maravilhosas, todos os episódios possuem algum monólogo ou diálogo que nos faz refletir sobre algo inerente à nossa sociedade. Um discurso que pessoalmente me marcou muito foi dito pelo personagem Kevin, um ator famoso por exibir seu corpo e fazer piadas “sem graça” em um programa de televisão. Em sua busca por ser reconhecido como um profissional respeitado, Kevin afirma que a culpa dos programas de televisão serem tão ruins é totalmente do público, que não cobra conteúdo de qualidade e está sempre satisfeito com as “bobeiras” que são exibidas.

O último episódio deixou os grandes protagonistas ofuscados, o que decepcionou alguns fãs, que esperavam uma narrativa digna de season finale e focada na história do “Big Three” -os três personagens principais. Porém, por outro lado, revelou uma história que provavelmente será mais explorada na segunda temporada, então podemos esperar episódios tão interessantes quanto os da primeira.

This is us é uma série em que não existem heróis ou vilões. Ela simplesmente retrata situações cotidianas e suas consequências na vida de cada indivíduo. Acredito que por ser tão realista e ao mesmo tempo tão sensível e reflexiva, seja uma das melhores séries que já vi.



Mineira, 18 anos, apaixonada por música, séries e chocolate. Divido meu tempo entre essas paixões e uma tão intensa quanto, que é o Jornalismo. Acho impossível escolher uma série preferida, assisto de "Justiça" a "Mozart in the Jungle". Mas de uma coisa eu tenho certeza: estou sempre aberta a novas sugestões.