22
jun
2018
Crítica: “Onze Homens e Um Segredo (1960)”
Categorias: Críticas • Postado por: Rafael Hires

Onze Homens e Um Segredo (Ocean’s 11)

Lewis Milestone, 1960
Roteiro: Harry Brown e Charles Lederer
Universal

2

Cassinos. Um dos jeitos modernos de fazerem as pessoas perderem dinheiro, iludidas de que, na próxima rodada, conseguirão amenizar suas perdas, jogando os mais diversos jogos, como poker, blackjack, caça-níqueis, roleta, etc.

Porém, essa situação será invertida quando entrar em ação, um grupo de 11 pessoas dispostas a fazerem de tudo um pouco para se dar bem e já experientes em grandes assaltos, envolvendo grandes quantias em dinheiro.

Esse é o mote de 11 Homens e Um Segredo, filme de 1960, estrelado pelo RatPack. Se não conhece esse grupo, então está na hora de introduzi-los a vocês. Esse nome foi dado a um grupo de pessoas, pela mídia, que estavam situados na área de Las Vegas, a cidade onde há maior profusão de cassinos por m².

O grupo surgiu em 1950, em Nova York. Algumas origens de como o grupo se conheceu vieram ao longo dos anos. Em uma das versões, a “Den Mother” original, Lauren Bacall, depois de ver seu marido, Humphrey Bogart, e seus amigos voltarem de uma noitada em Las Vegas, disse: “Vocês parecem um bando de ratos.” “Rat Pack” também pode se referir a “Holmby Hills Rat Pack”,a residência de Bogart e Bacall, que servia de ponto de encontro.

Alguns membros que visitavam o local incluíam Errol Flynn, Ava Gardner, Nat King Cole, Robert Mitchum, Elizabeth Taylor, Janet Leigh, Tony Curtis, Mickey Rooney, Lena Horne, Jerry Lewis e Cesar Romero. De acordo com Stephen Bogart, os membros originais eram: Frank Sinatra (líder), Judy Garland, Bacall, Sid Luft, Bogart, Swifty Lazar, Nathaniel Benchley, David Niven, Katharine Hepburn, Spencer Tracy, George Cukor, Cary Grant, Rex Harrison e Jimmy Van Heusen.

Nos anos 1960, uma nova versão foi feita. Desta vez, o grupo era Frank Sinatra, Dean Martin, Sammy Davis Jr., Peter Lawford e Joey Bishop. Marilyn Monroe, Angie Dickinson, Juliet Prowse, Buddy Greco e Shirley MacLaine eram referidas como “Rat Pack Mascots” Essa versão depois da morte de Bogart não era chamada assim pelo membros, eles a chamavam de the Summit ou the Clan. O termo foi reaproveitado por jornalistas e pessoas de fora, apesar de ter ficado esse estigma.

Quando um dos membros ia se apresentar, o resto aparecia para um show de improviso, divertindo a plateia, resultando em visitas recorrentes. Eles esgotavam quase todos os ingressos e brotavam pessoas em Las Vegas. Pessoas dormindo dentro dos carros ou mesmo em saguões de hotéis para ter a chance de encontrar com a gangue. As apresentações eram de valores sem precedentes, já que apostadores ricos iam até lá gastar fortunas consideráveis.

Peter Lawford era cunhado do ex-presidente John F. Kennedy e Kennedy passava um tempo com Sinatra e os outro quando ia pra Las Vegas. Nesse tempo, o grupo se intitulava, de vez em quando, como “Jack Pack”. Alguns membros do grupo acabaram apoiando a campanha de Kennedy e dos Democratas, aparecendo na Convenção Nacional Democrática, em julho de 1960, em Los Angeles.

Lawford perguntou a Sinatra se havia convidado JFK para sua casa em Palm Springs, em março de 1962. Sinatra não mediu esforços e construiu até um heliporto para acomodar o presidente. Quando o ex-procurador geral Robert F. Kennedy, seu irmão, o aconselhou a romper ligações com Sinatra, devido a ligações que o mesmo tinha com Sam Giancana, da máfia italiana, a estadia não ocorreu.

Durante esse tempo, vários filmes foram feitos como Sete Homens e Um Destino, Deus Sabe Quanto Amei, A Volta Ao Mundo em 80 Dias, Os Sete Ladrões da Cidade, Divórcio à Americana, Dois Contra o Texas.

A popularidade do grupo começou a decair em meados dos anos 60 até cair no ostracismo nos inicio dos 70. E, em 2007, o ultimo membro ainda restante, Joey Bishop, morreu de causas múltiplas.

Agora que sabe sobre o grupo, vamos ao filme.

Um grupo de paraquedistas recrutados por Danny Ocean e Jimmy Foster tramam um plano de roubar 5 dos maiores cassinos de Las Vegas na noite de Ano Novo. Porém, entra na jogada, o ex-ladrão Duke Santos, que tem planos de se casar com a mãe de Jimmy, para dar uma reviravolta.

O roteiro foca exclusivamente no assalto e nossos personagens são poucos explorados. Existem claro dilemas de moralidade, principalmente quanto ao pai que não vê o filho, regeneração social, etc. Isso pode até ser um calcanhar de Aquiles para o filme.

A trilha sonora é ótima. Um jazz de boa qualidade, o que faz você adentrar naquela época boemia. Um grande destaque vai para Peter Lawford cantando e tocando piano, sendo um dos poucos a colocar elementos musicais no filme. Porém, quando sai da parte do jazz e decide partir para trilha instrumental, ele decide reforçar elementos cômicos que soam repetitivos e nada construtivos.

Os mais politicamente corretos, se forem olhar a obra, vão notar várias piadas de cunho duvidoso, atitudes completamente rechaçáveis, como as piadas de negro, o blackface, tapas na bunda das mulheres, etc.

A direção de arte é bem feita. O neon e as luzes, até as tais tintas infravermelhas ajudam a dar o clima. Apesar de parecer um tanto datada em certas partes, ainda assim se mostra criativa. Uma das partes mais conflitantes são as cenas em chroma key, onde o fundo não condiz com a realidade ou o balão que possui um contorno azul em torno do mesmo, numa cena repetida anteriormente.

As atuações são boas. Frank Sinatra consegue ser carismático, cínico e muito divertido. Um dos que rouba a cena sempre que aparece é Sammy Davis. Suas piadas e cantorias nas cenas são o que fazem o filme se pagar. Um dos poucos que não convence é Richard Conte, que interpreta o eletricista do grupo, que morre abruptamente, numa cena sem impacto.

A montagem prefere sempre planos muitos abertos, onde podemos ver a maior parte da ação se desenrolar. Pode passar a impressão de ser lento, mas leve em conta que era a realidade da época.

Onze Homens e Um Segredo (1960) é um filme divertido se você souber relevar que o filme não aprofunda os dramas dos personagens, foca mais no roubo dos locais e, vez ou outra, em piadas bastante pontuadas. Mesmo com tantos pontos contra, ainda assim, vale a pena dar uma conferida.



Fã alucinado da sétima, oitava e nona arte, decidi me aprofundar em seus conhecimentos ao entrar na faculdade. Faltando pouco menos de 1 ano para a formatura, espero sempre o melhor filme possível.