29
jan
2019
Crítica: “A Favorita”
Categorias: Críticas, Maratona Oscar 2019 • Postado por: Maisa Carvalho

A Favorita (The Favourite)

Yorgos Lanthimos, 2018
Roteiro: Deborah Davis e Tony McNAmara
Fox Searchlight Pictures

4

A mente de Yorgos Lanthimos tem sido apreciada pela crítica desde sua obra O Lagosta (2016), que chamou atenção de Hollywood e do mundo todo para o cineasta grego. O diretor divide opiniões entre o público, mas algo sobre ele pode ser afirmado sem dúvidas, ele tem uma visão original e peculiar.

Em A Favorita, o espectador acompanha a história da Rainha Anne Stuart com sua fiel amiga Sarah Churchill, Duquesa de Malrborough e a criada Abgail. O trio, interpretado por Olivia Colman, Rachel Weisz e Emma Stone respectivamente, é, sem dúvidas a melhor escolha de Lanthimos.

Doente, aleijada e emocionalmente instável, a Rainha Anne confia no julgamento de Sarah Churchill para tomar as decisões mais importantes sobre o futuro da Grã-Bretanha. Em uma época de guerra e conflito entre Inglaterra, Escócia e Irlanda, essas duas mulheres eram as soberanas nas decisões que influenciavam no exército e no fim, na adesão da Escócia ao Reino Unido. Logo, chega Abigail, uma criada interesseira e oportunista, que não deixa de notar a carência da Rainha.

Abigail usa seu charme e até puxa-saquismo com lisonjas falsas e exageradas para conseguir um lugar nas graças da Rainha, quando descobre que Sua Majestade e Lady Churchill são amantes. Ela usa todos os seus recursos para substituir o lugar de confiança da Duquesa de Malrborough e ganhar poder e influência no reino.

O filme tem um ritmo bom, que mantém o espectador interessado, as personagens tem o carimbo de Lanthimos com suas peculiaridades e atitudes exageradas e singulares. As atuações são um show, desde as personagens menores de Nicholas Holt e Joe Awlyn, até o trio (Colman, Weizs e Stone) que eleva o filme. É como se os papéis tivessem sido escritos exclusivamente para elas, sem possibilidades de serem interpretados por quaisquer outras atrizes, com um destaque especial para Olivia Colman, que não atoa ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz em um Filme de Comédia ou Musical e sua indicação ao Oscar pelo papel.

Outros destaques do filme são o roteiro bem amarrado de Deborah Davis e Tony McNamara, a trilha sonora seca (estilo cravado do cineasta) e a fotografia. O longa foi filmado inteiramente sem iluminação especial. Nas cenas durante o dia, foi tudo filmado à luz natural, já as cenas noturnas, foram feitas apenas com a iluminação das velas espalhadas pelas locações cenográficas, dando mais autenticidade à época em que o filme se passa.

A Favorita é um filme com uma história interessante, visualmente lindo, um tom cômico e satírico, e atuações espetaculares, tudo isso embalado com um final agridoce e inquietante. Um filme que merece toda a atenção que está tendo, principalmente para as três atrizes que fazem das jornadas de suas personagens um deleite para quem está assistindo. 



Não gosto da palavra "cinéfila", então digo que apenas que amo assistir a filmes e não tenho essa de não gostar de um gênero, para mim, se o filme for bom, pouco importa onde ele se encaixa. As histórias têm esse poder de despertar um encantamento em mim, por isso eu sempre vou atrás de mais e é por isso que eu vim escrever sobre elas aqui.