22
fev
2019
Crítica: “Free Solo”
Categorias: Críticas, Maratona Oscar 2019 • Postado por: Maisa Carvalho

Free Solo

Jimmy Chin e Elizabeth Chai, 2018
Roteiro: Jimmy Chin e Elizabeth Chai
National Geographic Documentary Films

5

Indicado ao Oscar e favorito da categoria Melhor Documentário, Free Solo é uma experiência única e intensa para o espectador.

O filme conta a história de Alex Honnold, um alpinista livre, que escala montanhas sem equipamento de cordas. É com apenas a força de seu corpo, concentração e segurança interior, que ele faz o que parece ser impossível.

O filme de Jimmy Chin e Elizabeth Chai é um retrato que deixa o espectador no limite da tensão. Favorito desde sua estreia, Free Solo acompanha a jornada de Hannold para escalar uma das montanhas mais assustadoras da Califórnia, El Capitan, nunca escalada por um solista antes.  Ele conseguiu entrar para a história da escalada de montanhas, a El Capitan tem aproximadamente 915 metros e foi o maior desafio da carreira do atleta.

Mas o documentário não fica apenas na escalada, é toda a preparação física e mental de Alex para chegar ao ponto em que ele finalmente realiza o que tem sido seu sonho desde que começou a escalar montanhas. O longa também explora a relação do atleta com sua namorada e como o perigo do que ele faz afeta a dinâmica e o dia a dia do casal.

O filme parece simples de enredo para quem ainda não viu, mas foi uma decisão incrivelmente corajosa gravá-lo. Além dos planos maravilhosos e imagens lindas capturadas durante a escalada, Jimmy Chin – que também escala montanhas – e Elizabeth Chai conseguiram fazer um filme emocionante e perigoso que poderia ter dado muito errado.

O simples fato de ter uma equipe de gravação em volta de Hannold, poderia atrapalhar sua concentração, sua calma e até equilíbrio. É citado no filme, a todo momento, que ele é livre para desistir do longa e a equipe se afastaria. Mas o mais interessante é toda a preparação emocional da equipe de documentaristas, que além de gravarem um fato que entrou para a história do alpinismo, estavam lidando com um objeto que é muito próximo deles, um amigo, que poderia estar prestes a literalmente cair para a morte.

Com toda a coragem que precisou para ser feito, o produto final foi um filme cheio de imagens maravilhosos, bons e bem pensados ângulos de câmeras, uma velocidade que mantém o espectador interessado, os momentos mais emotivos não extrapolam para manipuladores, porque o sentimento principal que o filme deixa é de tensão e apreensão. A todo o momento, parece que algo ruim ou horrível vai acontecer, o que contrasta com a natureza pacífica e estável que cerca o ato.

Free Solo é um filme que usa os recursos técnicos não apenas para exibição, mas para a melhoria da qualidade do produto final, além de ambicioso e, principalmente, emocionante.



Não gosto da palavra "cinéfila", então digo que apenas que amo assistir a filmes e não tenho essa de não gostar de um gênero, para mim, se o filme for bom, pouco importa onde ele se encaixa. As histórias têm esse poder de despertar um encantamento em mim, por isso eu sempre vou atrás de mais e é por isso que eu vim escrever sobre elas aqui.