18
abr
2019
Com dois filmes brasileiros em competição, confira a lista oficial do Festival de Cannes 2019!
Categorias: Notícias • Postado por: Lucas Manoel Santos
Os diretores Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles nas filmagens de “Bacurau”

Foi anunciado hoje a seleção que integrará a competição oficial de cannes 2019. Tanto a mostra principal quanto as paralelas, tiveram seus nomes anunciados  na croisette por Thierry Fremaux, diretor do festival.

Quem abre a premiação é o badalado cineasta indie Jim Jarmusch, que apresenta seu filme de zumbi ” The Dead Don’t Die”, retomando a parceira com o ator Adam Driver. Entre veteranos do festival e rostos conhecidos do público como o cineasta Pedro Almodóvar, Bong Joon-ho, Ken Loach, a seleção se mostrou levemente ousada ao selecionar alguns diretores inéditos para integrar a lista principal da competição. Depois de ter saído premiada na semana dos realizadores com o filme “Garotas”, a cineasta Céline Sciamma retorna a Cannes (dessa vez na competição principal) para apresentar um novo projeto “Portrait Of a Lady on Fire“. Quem também dará as caras novamente no festival são os irmãos belgas Jean Pierre e Luc Dardenne, apresentando seu novo drama “Young Ahmed”, que ao que se sabe, vai tratar de um tema pertinente: o fanatismo religioso. Caso saiam consagrados do festival, os irmãos terão conseguido alcançar um feito inédito: Vencer a palma de ouro por três vezes (eles já ganharam em outras duas ocasiões). Outro vencedor que retorna a cannes é o enfant terrible da crítica, o canadense Xavier Dolan. Seus dois últimos filmes causaram acolhidas bastante controversas, sendo que um deles foi vaiado no festival, inclusive. O que não impediu o júri a época de apreciar o trabalho do jovem diretor, sendo que “É Apenas o Fim do Mundo” lhe rendeu o grande prêmio de júri em 2016.

Outro destaque é o filme “A Hidden Life”, drama de guerra do premiado (e recluso) diretor Terrence Malick. O cineasta venceu a palma de ouro em 2011 por “A Árvore da Vida”, e a expectativa pro retorno do cineasta ao gênero de guerra (“Além da Linha Vermelha” épico de Malick sobre a segunda guerra mundial, lançado em 1998, disputou o oscar) gera expectativas e burburinhos.

Mas provavelmente nenhum filme gera tanta expectativa quanto o lançamento de “Bacurau”, novo filme do consagrado cineasta brasileiro Kleber Mendonça Filho (dessa vez com a codireção de Juliano Dornelles). Três anos depois de ter causado polêmica no tapete vermelho, protestando contra o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, na época da estreia de seu trabalho anterior, “Aquarius”, Kleber retorna com um novo trabalho, e num momento bastante propício: É que o anúncio da seleção veio na mesma semana que o governo anuncia uma série de medidas de corte que vão prejudicar diretamente toda a produção audiovisual do país. E o Brasil tem motivo em dobro pra comemorar: Na mostra “Um Certo Olhar” (competição paralela a principal), outro cineasta brasileiro vai comparecer,  Karim Aïnouz, que apresenta seu novo projeto, um drama estrelado por Fernanda Montenegro, chamado “A Vida Invisível”. Dupla visibilidade ao nosso cinema.

Para além das competições principais, Cannes também prepara algumas sessões especiais: Nicolas Winding Refn vai apresentar alguns episódios de sua esperada série ”Too Old To Die Young”. “Rocketman”, cinebiografia do cantor Elton John também integrará a lista de filmes que serão exibidos fora de competição.

Abaixo a lista completa dos filmes que serão exibidos nas competições. Lembrando que o festival de cannes acontecerá dos dias  14 a 25 de maio de 2019 e terá como presidente do júri o cineasta Alejandro González Iñárritu, o primeiro mexicano a assumir a posição.

Em competição

The Dead Don’t Die, de Jim Jarmusch

Dolor y Gloria, de Pedro Almodóvar

O Traidor, de Marco Bellocchio

Parasite, de Bong Joon-ho

Le Jeune Ahmed, de Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne

Roubaix, Une Lumière, de Arnaud Desplechin

The Wild Goose Lake, de Diao Yinan

Atlantique, de Mati Diop

Matthias et Maxime, de Xavier Dolan

Little Joe, de Jessica Hausner

Sorry We Missed You, de Ken Loach

Les Misérables, de Ladj Ly

A Hidden Life, de Terrence Malick

Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

The Whistlers, de Corneliu Porumboiu

Frankie, de Ira Sachs

Portrait de la Jeune Fille en Feu, de Céline Sciamma

It Must Be Heaven, de Elia Suleiman

Sibyl, de Justine Triet

Um Certo Olhar

A Vida Invisível, de Karim Aïnouz

Evge, de Nariman Aliev

Dylda, de Kantemir Balagov

Les Hirondelles de Kaboul, de Zabou Breitman e Eléa Gobé Mévellec

La Femme de Mon Frère, de Monia Chokri

The Climb, de Michael Covino

Jeannet, de Bruno Dumont

Chambre 212, de Christophe Honoré

O Que Arde, de Olivier Laxe

Port Authority, de Danielle Lessovitz

Papicha, de Mounia Meddour

Zhuo Ren Mi Mi, de Midi Z

Liberté, de Albert Serra

Bull, de Annie Silverstein

Adam, de Maryam Touzani

Liu Yu Tian, de Zu Feng

Fora de Competição

La Belle Époque, de Nicolas Bedos

Rocketman, de Dexter Fletcher

Diego Maradona, de Asif Kapadia

Les Plus Belles Années d’une Vie, de Claude Lelouch

Too Old to Die Young – North of Hollywood, West of Hell, de Nicolas Winding Refn

Sessão da Meia Noite

The Gangster, The Cop, The Devil, de Lee Won-Tae

Sessão Especial

For Sama, de Waad Al Kateab e Edward Watts

Share, de Pippa Bianco

Être Vivant et le Savoir, de Alain Cavalier

Tommaso, de Abel Ferrara

Family Romance, LLC., de Werner Herzog

Que Sea Ley, de Juan Solanas



22 anos estudante de Ciências Sociais, cinéfilo apaixonado, leitor compulsivo, fascinado por Rock Alternativo (música em geral) e apreciador de cerveja barata. Descobri desde cedo o poder imersivo das artes na vida de uma pessoa, e desde então sigo nessa linha tênue entre prazer e compulsão. Fã de cinema alternativo, independente e dos grandes mestres do horror. Influência: de David Lynch a Godard, mas sem nunca se esquecer da simplicidade de uma boa comédia.