29
abr
2019
“Vingadores: Ultimato” e o futuro da Marvel!
Categorias: Artigos, Críticas, Estreias da Semana • Postado por: Maisa Carvalho

No dia 25 de abril, as salas de cinema do Brasil e do mundo inteiro ficaram lotadas com fãs que esperaram 11 anos e 22 filmes para este evento, a conclusão de tudo, o capítulo final na história do MCU.

O filme é um dos maiores exemplos de quando o fan service dá certo. tudo no filme serviu à história que foi contada ao longo de todos esses anos. Os Vingadores originais foram tratados com o respeito que as personagens merecem, com mais tempo de tela e mais assuntos a serem resolvidos. Todas as surpresas do filme lembraram aquele primeiro momento em que Nick Fury menciona a “Iniciativa Vingadores”, em 2008, quando todo este universo ainda era uma ideia.

Vingadores: Ultimato |Divulgação Marvel Studios/Disney

Os arcos concluídos foram feitos de maneiras que pareceram as mais corretas para as personagens e suas jornadas até então, os riscos foram reais e as consequências dolorosas. Novas dinâmicas surgiram com personagens já estabelecidos, que a partir de agora vão começar novas fases e ter novas possibilidades de explorar as histórias.

As maneiras como o filme lembrou o fã do MCU cada ponto que já foi mostrado, desde o primeiro filme dos Vingadores (2012), até A Era de Ultron (2015), Guerra Civil (2016) e Guerra Infinita (2018), sem ser pedante ou usar isso como bengala. Todos os momentos épicos aconteceram na hora certa, quando fazia mais sentido na jornada das personagens, quando eles mereceram tudo o que aconteceu, dos sacrifícios até os momentos mais gloriosos e memoráveis.


Vingadores: Ultimato |Divulgação Marvel Studios/Disney

O filme foi o balanço perfeito da fórmula da Marvel, o humor no ponto certo, a seriedade correta, as emoções que tiveram o efeito montanha-russa para o espectador. É incrível como cada personagem vai seguir um caminho totalmente novo e que pode ser trazido às telas de maneiras criativas e novas.

Uma das coisas mais impressionantes é que o roteiro conseguiu seguir bem redondinho durante todo o filme, com poucos pontos soltos e as questões não respondidas não incomodam, pois podem ser interpretadas e especuladas pelo próprio espectador ou respondidas nas novas fases e jornadas que das personagens.

Uma grande preocupação era como fazer justiça a essas personagens tão amadas e consertar o estalo de Thanos e as consequências devastadores disso. Esse ponto é muito bem explorado, principalmente nos arcos de Thor e Viúva Negra, que têm um belo e merecido destaque neste filme. O problema Capitã Marvel também foi resolvido de maneira lógica e que se encaixou no filme do melhor jeito possível. Esta nova personagem tão poderosa, por mais que tivesse a oportunidade de resolver tudo, não poderia roubar a cena daqueles que carregam o elo emocional com os fãs construído durante tantos anos. Ela, por ser ainda muito nova neste universo e não ter a mesma conexão com o público, se resolvesse tudo não traria a satisfação de um fim justo.


Vingadores: Ultimato |Divulgação Marvel Studios/Disney

A parte técnica do filme é de fato impressionante, se Guerra Infinita já foi bem falado pelo uso de cores e qualidade do GCI, este filme ultrapassa qualquer expectativa de nível técnico.Com imagens deslumbrantes, um uso de cores incrível e um ápice que não parece apenas uma bagunça de CGI na tela. Os fãs que acompanham os quadrinho, vão se lembrar daquelas páginas especiais em que se viam muitos heróis misturados de maneira colorida e vívida.

Os 11 anos desse universo ultra conectado foram uma realização cinematográfica como nenhuma outra, o significado disso para a cultura pop é algo impressionante. Era certo que os irmãos Russo junto com Kevin Feige, os produtores e roteiristas, fariam um bom trabalho com as personagens tão amadas e acompanhadas pelo mundo inteiro, a forma como eles fizeram é que faz com que o coração do fã se tranquilize e siga esperançoso pelo futuro brilhante do MCU.

PS: É sempre importante lembrar que o futuro de muitas personagens é mudado neste filme e ainda que tenha ultrapassado a incrível marca de 1 bilhão de dólares no primeiro fim de semana de estreia, muita gente ainda não assistiu ao filme, então vamos manter o respeito e não estragar essa experiência incrível para ninguém. #DontSpoilTheEndgame



Não gosto da palavra "cinéfila", então digo que apenas que amo assistir a filmes e não tenho essa de não gostar de um gênero, para mim, se o filme for bom, pouco importa onde ele se encaixa. As histórias têm esse poder de despertar um encantamento em mim, por isso eu sempre vou atrás de mais e é por isso que eu vim escrever sobre elas aqui.