03
maio
2019
Tudo sobre O Incrível Hulk: Como aprender a amar um monstro?
Categorias: Artigos • Postado por: Rafael Hires

Finalmente, Vingadores: Ultimato chegou! E com isso, foi dada a largada dos nossos especiais dos Heróis mais poderosos da Terra! E hoje, o Gigante Esmeralda mais pistola do mundo chegou aqui na sede do Pipoca pra ser desvendado.

Origem e a polêmica cinzenta

O Hulk apareceu pela primeira vez na primeira edição da própria revista (maio de 1962), escrito pelo escritor e editor Stan Lee, desenhado e co-roteirizado por Jack Kirby e colorido por Paul Reinman. Lee cita influência de Frankenstein e O Médico e O Monstro, de Robert Louis Stevenson na criação do Hulk.

Kirby, comentando sobre suas influências no desenho do personagem, lembrou como inspiração a história de uma mãe que resgata seu filho que está preso debaixo de um carro. Lee também comparou Hulk ao Golem da mitologia judaica. Em A Ciência dos Super-Heróis, Gresh e Weinberg veem o Hulk como uma reação à Guerra Fria e à ameaça de ataque nuclear, uma interpretação compartilhada por Weinstein em Up, Up and Oy Vey!.

Essa interpretação corresponde a outras mídias fictícias popularizadas criadas durante esse período de tempo, que aproveitaram o senso predominante entre os americanos de que a energia nuclear poderia produzir monstros e mutantes.

Na estreia, Lee escolheu cinza para o Hulk porque queria uma cor que não sugerisse nenhum grupo étnico em particular. O colorista Stan Goldberg, no entanto, teve problemas com a coloração cinza, resultando em diferentes tons de cinza, e até mesmo verdes, na edição. Depois de ver a primeira edição publicada, Lee escolheu mudar a cor da pele para verde.

O verde foi usado em recontagens da origem, com até reimpressões da história original sendo recoloridas pelas próximas duas décadas, até que a edição 302 da segunda série (dezembro de 1984) reintroduziu o Hulk cinzento em flashbacks perto da história da origem.

Uma exceção é a publicação Origins of Marvel Comics, de 1974, que explica as dificuldades em manter a cor cinza consistente em um prólogo escrito de Stan Lee, e reimprime a história de origem mantendo a coloração cinza. Desde dezembro de 1984, as reimpressões da primeira edição exibiram a coloração cinza original, com o cânon fictício especificando que a pele do Hulk tinha inicialmente sido cinza.

Lee deu ao alter ego do Hulk o nome aliterativo de “Bruce Banner” porque descobriu que ele tinha menos dificuldade de lembrar nomes aliterativos (onde a primeira letra do nome é igual a primeira do sobrenome). Apesar disso, em histórias posteriores, ele se lembrava mal do nome do personagem e se referia a ele como “Bob Banner”, um erro que os leitores rapidamente perceberam. A discrepância foi resolvida dando ao personagem o nome completo oficial “Robert Bruce Banner”.

Primeiras histórias

Durante a detonação experimental de uma bomba gama, o cientista Robert Bruce Banner salva o adolescente Rick Jones, que entrou no campo de testes. Banner empurra Jones em uma trincheira para salvá-lo, mas é atingido com a explosão, absorvendo enormes quantidades de radiação gama. Ele acorda depois aparentemente ileso, mas essa noite se transforma em uma pesada forma cinza.

Um soldado perseguidor chama a criatura de “hulk” (uma corruptela da palavra inglesa “bulky”, que significa corpulento(a). Originalmente, acreditava-se que as transformações de Banner em Hulk foram causadas pelo pôr-do-sol e desfeitas ao nascer do sol, mas depois, depois que Rick testemunhou Banner se transformar em Hulk no dia seguinte a uma tentativa fracassada dos homens de Ross de mandar Hulk para o espaço, foi descoberto ser causado pela raiva.

Banner foi curado na edição 4, mas escolheu restaurar os poderes de Hulk com a inteligência de Banner. A máquina de raios gama precisava afetar os efeitos colaterais induzidos pela transformação, o que deixava Banner temporariamente doente e fraco quando retornava ao seu estado normal.

Entrada nos Vingadores

O personagem imediatamente estrelou na edição 12 da revista do Quarteto Fantástico (março de 1963), e meses depois tornou-se membro fundador da equipe de super-heróis Vingadores, aparecendo nas duas primeiras edições da série epônima da equipe (setembro e novembro de 1963) e retornando como um antagonista na edição 3 e como um aliado em 5 (janeiro-maio ​​de 1964).

Em Tales to Astonish #59 (setembro de 1964), o Hulk apareceu como um antagonista para o Gigante (alguém lembra do especial do Homem-Formiga?).

Ele então estrelou nas ediçoes 25 e 26 do Quarteto (abril-maio ​​de 1964), que revelou o nome completo de Banner como Robert Bruce Banner e na edição 14 do Homem-Aranha (julho de 1964).

Nessa época, o co-criador Kirby recebeu uma carta de um dormitório da faculdade afirmando que o Hulk havia sido escolhido como seu mascote oficial. Kirby e Lee perceberam que seu personagem havia encontrado uma audiência em leitores universitários.

Um ano e meio depois da revista ser cancelada, o Hulk foi para a revista Tales to Astonish, começando na edição 59 (setembro de 1964). A série estabeleceu o estresse como o gatilho para o Banner se transformar no Hulk e vice-versa.

Foi nessa época que o Hulk desenvolveu uma personalidade mais selvagem e infantil, afastando-se de seu retrato original como uma figura brutal, mas não totalmente pouco inteligente. Além disso, sua memória, tanto a longo como a curto prazo, agora se tornaria marcadamente prejudicada em seu estado de Hulk.

Um ano e meio depois da revista ser cancelada, o Hulk foi para a revista Tales to Astonish, começando na edição 60 (outubro de 1964). Tales to Astonish #64 (fevereiro de 1965) foi a última história de Hulk a apresentá-lo falando em frases completas.

Em Tales to Astonish # 77 (março de 1966), a dupla identidade de Banner e Hulk se tornou publicamente conhecida quando Rick Jones, erroneamente convencido de que Banner estava morto (quando ele realmente tinha sido catapultado para o futuro), disse ao Major Glenn Talbot, um rival amoroso de Banner para com Betsy Ross, a verdade.

Consequentemente, Glenn informou seus superiores e transformou Banner em um fugitivo procurado ao retornar ao presente.

Este nova fase do Hulk foi inicialmente roteirizado por Lee, com desenhos de Steve Ditko e cores de George Roussos. Outros artistas mais tarde nesta corrida incluíram Jack Kirby (edições 68 a 87, de junho de 1965 a outubro de 1966).

Gil Kane (creditado como “Scott Edwards”, na edição 76 (fevereiro de 1966)), Bill Everett (edições 78 a 84, de abril a outubro de 1966), John Buscema (edições 85 a 87) e Marie Severin.

A revista introduziu os super-vilões, o Líder, que se tornaria o inimigo do Hulk, e o Abominação, outro ser irradiado por radiação gama. Marie Severin terminou essa fase do Hulk em Tales.

Começando com a edição 102 (abril de 1968), a revista foi levada a uma nova série e se seguiu até 1999, quando a Marvel cancelou a série e lançou Hulk #1

O quase casamento

Nos anos 70, Banner e Betty quase se casaram na edição 124 (fevereiro de 1970). Betty acabou casando com Talbot na edição 158 (dezembro de 1972). O Hulk também viajou para outras dimensões, uma das quais tinha encontrado a Imperatriz Jarella, que usava magia para levar a inteligência de Banner ao Hulk e passou a amá-lo. O Hulk ajudou a formar os Defensores.

Len Wein escreveu a série de 1974 a 1978, trabalhando primeiro com Herb Trimpe, então, a partir da edição 194 (dezembro de 1975), com Sal Buscema, que foi artista regular por dez anos.

Os números 180 e 181 (outubro e novembro de 1974) introduziram Wolverine (mais um especial anotado) como um antagonista, que viria a se tornar um dos personagens mais populares da Marvel Comics.

Em 1977, a Marvel lançou um segundo título, The Rampaging Hulk, uma revista em quadrinhos em preto-e-branco.

Isso foi originalmente concebido como uma série de flashbacks, definida entre o final de seu título solo original de curta duração e o começo de seu longa-metragem em Tales to Astonish. Depois de nove edições, a revista foi renomeada The Hulk! e impresso em cores.

O retorno do Hulk cinza

Bill Mantlo tornou-se o escritor da série por cinco anos, começando com o número 245 (março de 1980).

Mais tarde, os escritores do Hulk, Peter David e Greg Pak, disseram que essas histórias eram uma influência em suas abordagens ao personagem.

Mantlo deixou a série para escrever Alpha Flight e o escritor da série John Byrne assumiu.

Na década de 1980, Banner mais uma vez ganhou o controle sobre o Hulk, e ganhou anistia por seus ataques passados.

No entanto, devido às manipulações de Pesadelo, Banner acabou perdendo o controle sobre o Hulk.

As histórias de “Encruzilhada da Eternidade” de Mantlo (300 a 313, outubro de 1984 a novembro de 1985) exploraram a ideia de que Banner havia sofrido abuso infantil.

Banner chega a um acordo com seus problemas por um tempo, e o Hulk e Banner foram fisicamente separados por Doc Samson. Banner é recrutado pelo governo dos EUA para criar os Hulkbusters, uma equipe do governo dedicada a capturar o Hulk.

Banner finalmente se casou com Betty na edição 319 (maio de 1986) após a morte de Talbot em 1981.

Banner e o Hulk foram reunidos na edição 323 (setembro de 1986) e com o número 324, retornaram o Hulk à sua coloração cinza, com suas transformações ocorrendo mais uma vez à noite, independentemente do estado emocional de Banner.

O escritor Peter David começou uma fase de doze anos com a edição 331 (maio de 1987).

Ele retornou às histórias de abuso de Roger Stern e Mantlo, expandindo o dano causado e descrevendo Banner como possuindo um transtorno dissociativo de identidade (DID).

Na edição 347, foi apresentada a persona cinzenta do Hulk “Joe Fixit”, um executor e durão moralmente ambíguo de Las Vegas.

Banner permaneceu reprimido na mente do Hulk por meses, mas lentamente começou a reaparecer.

Verdão de novo e Futuro Imperfeito

A década de 1990 viu o retorno de Hulk ao verde. Na edição 377 (janeiro de 1991), o Hulk foi reformulado em um enredo em que as personalidades de Banner, Hulk Cinza e Hulk Selvagem confrontam o passado de Banner nas mãos de seu pai Brian e uma nova personalidade: o Guilt Hulk.

Superarando o trauma, as personalidades Banner, Hulk Cinza e Hulk Selvagem fundem-se numa nova entidade única que possui as características de todos os três: o Professor Hulk.

O Hulk também se juntou ao Panteão, uma organização secreta de indivíduos superpoderosos.

Sua participação com a organização trouxe o Hulk em conflito com uma versão alternativa tirânica de si mesmo chamado Maestro na minissérie Futuro Imperfeito de 1993, que governa um mundo onde muitos heróis estão mortos.

Em 1998, David matou o amor de longa data de Banner, Betty Ross. Os executivos da Marvel usaram a morte de Ross como uma oportunidade para prosseguir o retorno do Hulk Selvagem. David discordou, levando a sua separação com a Marvel.

O personagem foi novamente cancelado com a edição 474 em março de 1999 e foi substituído por uma nova série, Hulk, no mês seguinte, com o retorno do escritor Byrne e a arte de Ron Garney.

Na edição 12 (março de 2000), Hulk foi renomeado como sendo a terceira série O Incrível Hulk. O novo escritor Paul Jenkins desenvolveu as múltiplas personalidades do Hulk e sua fase foi seguida por Bruce Jones com sua participação em Banner sendo perseguido por uma conspiração secreta e ajudado pelo misterioso Sr. Blue Jones e incluiu essa edição com a série limitada Hulk /Thing: Hard Knocks (novembro de 2004 – fevereiro de 2005), que a Marvel publicou após colocar a série em andamento em hiato.

Peter David, que inicialmente havia assinado um contrato para a série limitada de seis edições Tempest Fugit, retornou como escritor quando foi decidido tornar essa história as cinco primeiras partes da terceira série de públicação.

Depois de uma ligação de quatro partes para o enredo Dinastia M e um epílogo, David deixou a série mais uma vez, citando a necessidade de fazer outros trabalhos por causa de sua carreira.

Planeta Hulk e Hulk Contra o Mundo

O escritor Greg Pak assumiu a série em 2006, levando o Hulk através de várias histórias de crossover, incluindo Planeta Hulk e Hulk Contra o Mundo, que deixou o Hulk temporariamente incapacitado e substituído como personagem título da série pelo semideus Hercules no reintitulado O Incrível Hércules (fevereiro de 2008).

O Hulk retornou periodicamente em Hulk, que então estrelou o novo Hulk Vermelho (só falta vir um arco-íris de Hulks).

Os Illuminati (mais um especial pro futuro) decidem que o Hulk é perigoso demais para permanecer na Terra e mandam-o embora por um foguete que cai no Planeta Sakaar inaugurando a história do Planeta Hulk, onde o personagem encontra aliados no Pacto de Guerra e se casa com a rainha alienígena Caiera, um relacionamento que mais tarde revelou ter nascido com dois filhos: Skaar e Hiro-Kala.

Depois que a nave dos Illuminati explode e mata Caiera, o Hulk retorna à Terra com seu grupo de super-heróis Pacto de Guerra e declara guerra ao planeta em Hulk Contra o Mundo.

No entanto, depois de saber que Miek, um dos aliados, foi realmente responsável pela destruição, o Hulk se permite ser derrotado, com Banner, posteriormente, se redimindo como um herói enquanto trabalha com e contra o novo Hulk Vermelho para derrotar o novo super vilão da equipe: o Inteligência.

Em setembro de 2009, a revista foi relançada para uma nova série a partir do número 600.

A série foi renomeada The Incredible Hulks com o número 612 (novembro de 2010) para abranger a família expandida do Hulk, e foi publicada até a edição 635 (outubro de 2011) quando foi substituída pela terceira série do personagem (15 números, dez. 2011 – dez. 2012) escrito por Jason Aaron com arte de Marc Silvestri.

Como parte do relançamento de 2012 Marvel NOW! uma série chamada The Indestructible Hulk (novembro de 2012) estreou sob a equipe criativa de Mark Waid e Leinil Yu.

Em 2010, Hiro-Kala viajou para a Terra para destruir o antigo Forte do Poder guardado por Skaar, forçando Skaar e o Hulk a derrotá-lo e aprisioná-lo em seu planeta natal.

A Essência do Medo

Durante o enredo A Essência do Medo em 2011, o Hulk encontra um dos martelos mágicos da Serpente associados ao dignos e se torna Nul: Quebrador de Mundos.

Quando ele começa a se transformar, o Hulk diz a Mulher Hulk Vermelha (sim, isso existiu) para fugir dele. Fugindo pela América do Sul e Central, Nul foi finalmente transportado para Nova York, onde ele começou a lutar com Thor, com a ajuda de Coisa, que foi transformado em Angrir, O Destruidor de Almas.

Depois de derrotar o Coisa, Thor afirmou que ele nunca poderia derrotar o Hulk, e ao invés disso o removeu da batalha, lançando-o na órbita da Terra, depois do qual Thor entrou em colapso por exaustão.

Desembarcando na Romênia, Nul imediatamente começou a se dirigir para a base do vampiro-rei Drácula. Oposto pelas forças de Drácula, incluindo uma legião de monstros, Nul era aparentemente imparável. Somente após a intervenção do Perdoado Raizo Kodo, Nul foi brevemente retardado.

Finalmente, Nul se dirige para o castelo de Drácula, onde a chegada oportuna de Kodo e da membro dos Perdoados, Inka, disfarçada de Betty Ross, é capaz de retirar os efeitos da possessão de Nul. Deixando de lado o martelo, Hulk recupera o controle e prontamente sai entendendo a verdadeira natureza de “Betty”.

Com a crise concluída, o Hulk entrou em contato com o Doutor Destino em busca de ajuda para separá-lo e Banner de vez em troca de um favor não especificado. Destino procedeu a realizar uma cirurgia no cérebro no Hulk, extraindo os únicos elementos Banner do cérebro do Hulk e clonando um novo corpo para Banner.

Quando Destino exige manter Banner para seus próprios propósitos, o Hulk renega o acordo e foge com o corpo de Banner, deixando seu alter ego no deserto, onde ele foi criado para garantir que Destino não possa usar o intelecto de Banner.

Quando Banner fica louco devido a sua separação do Hulk, irradiando uma ilha tropical inteira tentando recriar sua transformação – algo que ele não pode fazer já que o corpo clonado não tem os elementos genéticos de Banner que lhe permitiriam processar a radiação gama – o Hulk é forçado destruir seu outro lado, deixando-o ser desintegrado por uma bomba gama, levando o Hulk a acusar Destino de manipular a mente de Banner, apenas para Destino observar que o que foi testemunhado foi simplesmente Banner sem o Hulk para usar como um bode expiatório para seus problemas.

Inicialmente assumindo que Banner está morto, o Hulk logo percebe que Banner foi de alguma forma “re-combinado” com ele quando a bomba gama desintegrou o corpo de Banner, resultando no Hulk se encontrando acordando em vários locais estranhos, incluindo ajudar o Justiceiro a enfrentar um cartel dirigido por um cachorro mutante, caçando sasquatches com Kraven, o Caçador, e sendo forçado a enfrentar Wolverine e o Coisa em uma antiga base da SHIELD.

Banner finalmente deixa uma mensagem em vídeo para o Hulk em que ele pede desculpas por suas ações enquanto eles estavam separados, tendo chegado a reconhecer que ele é uma pessoa melhor com o Hulk do que sem, os dois unem suas forças para frustrar a tentativa de Doombots usar animais na ilha irradiada de Banner como base para um novo exército gama, usando uma cura gama única que Banner criou para transformar todos os animais de volta ao normal.

Depois disso, Bruce se uniu voluntariamente à organização de espionagem S.H.I.E.L.D., permitindo que eles usassem o Hulk como arma em troca de fornecer-lhe os meios e fundos para criar um legado duradouro para si mesmo.

Depois que Hulk sofreu danos cerebrais ao ser baleado na cabeça pela Ordem do Escudo – o assassino foi cuidadosamente treinado para atingir Bruce na parte direita do cérebro para incapacitá-lo sem desencadear uma transformação – o Homem de Ferro usou o Extremis para curar o Hulk.

Este procedimento também aumentou a capacidade mental de Banner, o que lhe deu a inteligência para ajustar o vírus Extremis dentro dele e desencadear uma nova persona para o Hulk: o super-inteligente Dr. Greene.

Pecado Original

A série foi substituída em 2014 por The Hulk com autoria de Waid e pelo artista Mark Bagley.

Durante o enredo de Pecado Original, Bruce Banner confrontou-se com o olho de Uatu (Vigia), que havia sido assassinado. Bruce experimentou temporariamente algumas das memórias de Tony Stark de seu primeiro encontro antes de qualquer um deles se tornar o Hulk ou o Homem de Ferro.

Durante esta visão, Bruce testemunhou Tony modificando a bomba gama para ser mais eficaz, levando Bruce a perceber que Tony era essencialmente responsável por ele se tornar o Hulk em primeiro lugar.

Pesquisas subsequentes revelam que a adulteração de Tony havia realmente refinado o potencial explosivo da bomba, de modo que ela não desintegraria todos dentro do raio da explosão, com o resultado de que as ações de Tony realmente salvaram a vida de Bruce.

Eixo

No enredo Eixo de 2014, quando um erro cometido pela Feiticeira Escarlate faz com que vários heróis e vilões experimentem uma inversão moral, Bruce Banner participou de uma reunião entre Nick Fury e Maria Hill e os Vingadores que se recusaram a entregar o Caveira Vermelha.

Mais tarde, quando ele ficou do lado de Jarvis e tentou impedir seus companheiros de executar o Caveira, o Hulk foi jogado de lado por Luke Cage.

A tristeza do Hulk pela traição de seus amigos despertou uma nova persona conhecida como o sanguinário Kluh (descrito como o Hulk do Hulk, sendo a parte implacável de si mesmo que até mesmo o Hulk reprimiu) com esta nova versão derrotando facilmente os Vingadores, zombando que o Hulk eles sabia que não era nada mais do que uma “triste peça de identidade de ‘Dr. Greene'”.

Kluh, em seguida, sai para causar estragos, com Nova tentando detê-lo depois de testemunhar sua fúria com os bons heróis restantes. Tal como acontece com os outros Vingadores invertidos e X-Men, Kluh foi devolvido a Hulk quando o Irmão Voodoo foi chamado de volta à vida pelo Doutor Destino, para que o fantasma de Daniel Drumm pudesse possuir a Feiticeira Escarlate e desfazer a inversão.

Com seu novo intelecto, Dr. Greene chegou à conclusão de que o mundo estava em perigo pela Mutação Gama e, portanto, precisava ser enfraquecida. Ele desenvolveu um soro feito de nanobites de Adamantium que absorveram energia gama. Ele usou estes para enfraquecer Líder Vermelho, Mulher-Hulk Vermelha, Hulk Vermelho, Skaar, a Tropa Gama e Bomba-A, mas decidiu “poupar” a Mulher-Hulk como ele concluiu que ela era a única mutação gama cuja vida tinha sido legitimamente melhorado por sua mutação.

No final do enredo, Dr. Greene descobriu que ele estava começando a desaparecer como resultado do término do soro Extremis. Ele finalmente se permitiu desvanecer, retornando à sua forma normal de Hulk, pois temia que permanecer em seu atual nível intelectual levaria a ele se tornar o Maestro.

Guerras Secretas

Durante o enredo de “Guerras Secretas” de 2015, o Hulk participou da incursão entre a Terra-616 e a Terra-1610. O Hulk usou o “Fastball Special” com o Colossus para destruir o Triskelion.

Totalmente Diferente Nova Marvel

Como parte da iniciativa da Marvel Totalmente Diferente de 2015 a 2018, Amadeus Cho torna-se o novo Hulk. Flashbacks revelam que o Hulk havia absorvido um novo tipo perigoso de radiação enquanto ajudava o Homem de Ferro e o Pantera Negra a lidar com um grande acidente na Ilha Kiber.

Temendo que o colapso do Hulk mataria inúmeros inocentes, Cho foi capaz de usar nanites especiais para absorver o Hulk de Banner e transformá-lo em si mesmo para se tornar sua própria versão do Hulk, deixando Banner normal e livre do Hulk.

Ele é, então, resgatado de uma briga de bar por Amadeus, que lhe diz que está curado.

Tendo confirmado que ele não pode mais se transformar ou sentir o Hulk, Bruce passa algum tempo viajando pela América assumindo vários riscos, como dirigir em alta velocidade, fugir de um urso ou apostar em Las Vegas, até ser confrontado por Tony Stark preocupado que Bruce tenha um desejo de morte.

Bruce, em vez disso, reconhece que ele ainda nutre a culpa e raiva sobre como muitos dos ataques do Hulk foram provocados por várias agências que se recusaram a deixá-lo em paz.

Guerra Civil II

Durante o enredo Guerra Civil II, a visão do Inumano Ulisses mostra um furioso Hulk em pé sobre os cadáveres dos super-heróis. Enquanto isso, Bruce Banner mostra que montou um laboratório em Alpine, Utah, onde ele é abordado pela Capitã Marvel, seguido por Tony Stark, o resto dos Vingadores, os X-Men e os Inumanos.

O confronto leva o Fera a invadir os servidores de trabalho de Banner e a revelação de que ele estava se injetando com células irradiadas com radiação gama. A diretora da S.H.I.E.L.D. Maria Hill o prende. Banner fica furioso com todos esses eventos, quando, de repente, Gavião Arqueiro atira uma flecha na cabeça de Banner e depois no coração, matando-o, para o desalento e horror dos super-heróis, especialmente Tony Stark.

Em um tribunal presidido por Vingadores, Gavião afirma que Bruce Banner havia se aproximado dele e ordenou que ele o matasse se ele mostrasse sinais de se transformar novamente no Hulk. No funeral, Korg do Pacto de Guerra declarou como Hulk queria ficar sozinho e como seus aliados que ele fez ao longo do caminho se tornaram sua família.

Em seu vídeo, Bruce deixa vários itens para outros heróis e seus aliados, incluindo para o Dr. Estranho suas anotações sobre a habilidade do Hulk de perceber fantasmas e um cronômetro para os vários outros Hulks antigos/atuais (baseado em uma das tentativas mais bem-sucedidas de Bruce para se controlar enquanto ele se sentava por três minutos sem fazer nada antes de tomar uma decisão particularmente grande e então decidir se ele ainda queria fazer isso).

Após o funeral de Bruce Banner, o Tentáculo em lealdade ao fantasma de Daniel Drumm, rouba o corpo de Bruce Banner para usar os mortos para reforçar suas fileiras.

Quando os Fabulosos Vingadores remontados foram para o Japão e tentaram alistar Elektra para ajudar a parar o Tentáculo, o ritual que foi realizado foi completo com os Fabulosos Vingadores são atacados por um Hulk que está vestindo uma armadura de samurai.

Os Fabulosos foram capazes de conter o tumulto de Hulk e cortar sua ligação mística com a Besta do Tentáculo. Depois, Hulk regressou a Bruce Banner e morreu (Didi feelings).

Império Secreto

Durante o enredo de 2017 Império Secreto, Arnim Zola usou um método desconhecido para reviver temporariamente Bruce Banner, onde a versão Hidra Supremo do Capitão América convence seu Hulk a atacar o esconderijo do Submundo chamado Balsa.

Ele lutou contra o Coisa e a I.M.A até o reAvivamento temporário que Arnim Zola fez para Bruce Banner começar a se desgastar e fazer com que Hulk morresse novamente.

Sem Rendição

Durante o arco Sem Rendição, o exilado Ancião do Universo chamado Desafiador revive Hulk para ser seu ás na manga durante uma disputa entre sua Ordem Negra e Legião Letal do Grão Mestre. Hulk participou desde que ele sabia que a Terra seria destruída de qualquer forma, enquanto seu Bruce Banner suspeita que os reavivamentos de Hulk foram uma manifestação da imortalidade de Hulk.

Enquanto derrotava Bala Humana e Relâmpago Vivo, quebrando Visão e drenando a energia gama do Hulk Plug-In (um dispositivo intraepitelial) de Robert Maverick, Magnum argumentou com sucesso com ele enquanto Hulk destruía o Pyarmoid em posse do Viajante. Depois de sentir remorso pelo que aconteceu, Bruce Banner se tornou o Hulk e enfrentou o Desafiador. Depois que ele enviou Hulk para a órbita da Terra, Hulk ficou satisfeito por ter conseguido feri-lo.

Embora mantendo um perfil discreto, Bruce Banner foi baleado por Tommy Hill, da gangue de motoqueiros Cães do Inferno durante um assalto que também tirou a vida de Sandy Brockhurst e Josh Alfaro. Ele voltou à vida e se transformou em Hulk, onde ele bateu em Tommy Hill. As testemunhas no Cães do Inferno disseram à detetive Gloria Mayes e a repórter Jackie McGee suspeitavam que o atacante fosse Hulk, embora se acreditasse que Banner estivesse morto.

Hulk na mídia

O Hulk estreou na televisão em 1966 como parte da série animada Marvel Super Heroes. Produzido pela Grantray-Lawrence Animation, dirigido por Grant Simmons, Ray Patterson e Robert Lawrence, a série está em forma de quadrinhos em stop-motion, com personalidades do rádio Max Ferguson interpretando o Hulk e Paul Soles fazendo as vezes de Bruce Banner.

Os 39 episódios de segmento de sete minutos foram exibidos, juntamente com os que apresentavam Capitão América, Homem de Ferro, Thor e Namor também daquela série. Eles foram todos baseados nas primeiras histórias da série de quadrinhos do personagem. A série mostra a origem de Bruce Banner de se tornar o Hulk e lutando para manter sua identidade dupla em segredo de todos, bem como tentando manter seu romance com Betty Ross, amizade com Rick Jones – o único sabendo que Banner e Hulk são os mesmo, e lutando contra super-vilões como o Líder.

Em 1977, dois filmes de televisão de Hulk foram ao ar com altos índices de audiência, levando a uma série de TV O Incrível Hulk que foi ao ar de 1978 a 1982. Um enorme sucesso de audiência, a série introduziu o popular slogan do Hulk: “Não me deixe com raiva. Você não vai gostar de mim quando estou com raiva”, e ampliou a popularidade do personagem de um público de nicho em quadrinhos para as pessoas em geral.

Criado pela Universal Studios, foi estrelado por Bill Bixby como Dr. David Banner e Lou Ferrigno (aliás, Ferrigno seria convidado depois para fazer a voz do Hulk em outros projetos) como o Hulk. Ele não segue o formato de quadrinhos, omite os vilões típicos ou personagens de apoio, e Hulk não fala, mas apenas rosna e ruge . Nesta série, David Banner se torna o Hulk, é considerado morto, e foge enquanto é perseguido pelo repórter investigativo de tablóides Jack McGee (Jack Colvin), que está empenhado em provar que a criatura existe.

Outros filmes com o personagem seriam feitos:

O Retorno do Incrível Hulk (1988) – A ressurreição dos personagens da série da NBC com Lou Ferrigno e Bill Bixby, com a adição de Eric Allan Kramer como Thor (sim, isso aconteceu).

O Julgamento do Incrível Hulk (1989) – Sequência dirigida por Bill Bixby, com Rex Smith como Matt Murdock /Demolidor e John Rhys-Davies como Wilson Fisk/Rei do Crime. Este filme marca a primeira vez que Stan Lee apareceu em um filme da Marvel.

A Morte do Incrível Hulk (1990) – Novamente dirigido por Bixby, este se tornou o último capítulo da franquia live-action de televisão.

Em 2003, o personagem foi adaptado para as telonas pelo diretor Ang Lee. O tom e a edição simulavam os quadrinhos, porém sem o mesmo brilhantismo.

E, em 2008, no mesmo ano em que o Homem de Ferro estreava, mais uma adaptação ia para as telonas com Edward Norton no papel do Gigante Esmeralda e Robert Downey Jr. aparecendo no pós créditos (mal sabiam que o Hulk seria substituído).

Em 2012, o personagem apareceu novamente, agora vinculado ao MCU, em Os Vingadores, com Mark Ruffalo no papel de Banner. E desde então, o personagem virou figura carimbada nos filmes da equipe, até mesmo em Thor: Ragnarok.

Então, é isso, meus queridos! Mais um especial vai chegando ao fim. Se gostou, compartilhe. E em breve, um deus nórdico louro, alto (não é o Caco Antibes) estará chegando com seus raios para nos acompanhar em mais um capítulo da nossa jornada



Fã alucinado da sétima, oitava e nona arte, decidi me aprofundar em seus conhecimentos ao entrar na faculdade.