18
jun
2019
Tudo sobre Turma da Mônica: o quadrinho brasileiro mais famoso do mundo
Categorias: Biblioteca Radioativa • Postado por: Rafael Hires

Chegou a Turma da Mônica, quanta alegria

Essa turminha é mesmo legal

Chegou a Turma da Mônica, que maravilha

E a fantasia se torna real.

É, você aí, jovem mancebo nunca deve ter se questionado quando a turma mais amada do brasil, cujo elefante virou símbolo de molho de tomate, começou a ter histórias publicadas, né? Pois hoje, eu, você e o Zoobomafoo vamos juntos descobrir quando a turminha começou a surgir.

Quem é Mauricio de Sousa?

Antes de falarmos da turminha. Vamos falar do criador. Mauricio Araújo de Sousa (ou apenas Mauricio de Sousa), filho de Antônio Mauricio de Sousa e de Petronilha Araújo de Sousa, Mauricio viveu num ambiente cercado de arte, pois seu pai era poeta, compositor e pintor, e sua mãe poetisa. Sua casa sempre esteve cheia de livros, permitindo um ambiente bastante cultural.

Com poucos meses de vida, Mauricio mudou-se de Santa Isabel para a vizinha Mogi das Cruzes, onde começou a desenhar cartazes e ilustrações para rádios e jornais. Queria viver profissionalmente do desenho e, para isso, em 1954 começou a procurar emprego de desenhista em São Paulo, mas só conseguiu uma vaga de repórter policial na Folha da Manhã.

Passou cinco anos escrevendo esse tipo de reportagem, que ilustrava com desenhos bem aceitos pelos leitores. Mauricio começou a desenhar histórias em quadrinhos em 18 de julho de 1959, quando uma história do Bidu, seu primeiro personagem, foi aprovado pelo jornal. As tiras em quadrinhos com o cãozinho Bidu e seu dono, Franjinha, deram origem ao famoso menino de cabelos espetados Cebolinha.

Atualmente Bidu, que é o animal de estimação de Franjinha, participa tanto com seu dono como em historinhas em que é o astro principal, dialogando com outros cães e até com pedras. Bidu é o símbolo da empresa de Mauricio, a Mauricio de Sousa Produções. Nas revistas Lostinho-Perdidinhos nos Quadrinhos e no primeiro número da revista Saiba Mais, no entanto, é revelado que a primeira criação de Mauricio foi um personagem super-herói chamado “Capitão Picolé”.

Junto dos desenhistas como Messias de Mello, Gedeone Malagola, Ely Barbosa e Júlio Shimamoto, integrou a Associação de Desenhistas de São Paulo (ADESP), que tinha como bandeira reserva de mercado e da qual Mauricio chegou a ser presidente. Com a instalação da Ditadura Militar, saiu da associação, alegando que ela estava ganhando conotação política.

Em 1963, Mauricio de Sousa criou, junto com a jornalista Lenita Miranda de Figueiredo, Tia Lenita, a Folhinha de S. Paulo. Sua personagem Mônica foi criada nesse ano. Em 1987, passou a ilustrar o recém-criado suplemento infantil do jornal O Estado de S. Paulo, Estadinho, que até hoje publica tiras da Turma da Mônica.

Mauricio montou uma grande equipe de desenhistas e roteiristas, e depois de algum tempo passou a desenhar somente as histórias de Horácio, o dinossauro.

Hoje, é pai de dez filhos (Maurício Spada, Mônica, Magali, Mariângela, Vanda, Valéria, Marina, Mauricio Takeda, Mauro Takeda e Marcelo Pereira). Além de ter criado personagens baseados em seus amigos de infância, Mauricio sempre criou personagens baseados em seus filhos, tais como: Mônica, Magali, Marina, Maria Cebolinha (inspirada na Mariângela), Nimbus (em Mauro), Do Contra (em Mauricio Takeda), Vanda, Valéria, Marcelinho e Dr. Spada.

Os quadrinhos de Mauricio de Sousa têm fama internacional, tendo sido adaptados para o cinema, para a televisão e para os videogames, além de terem sido licenciados para comércio em uma série de produtos com a marca das personagens. Há inclusive o parque temático da Turma da Mônica, o Parque da Mônica, localizado em São Paulo, que fechou em fevereiro de 2010. Já existiu também o Parque da Mônica de Curitiba, aberto em 1998 e fechado em 2000, e o do Rio de Janeiro, fechado no início de 2005.

De 1970 — quando foi lançada a revista Mônica, com tiragem de 200 mil exemplares — a 1986, as revistas de Mauricio foram publicadas na editora Abril, porém a partir de janeiro de 1987 foram publicadas pela editora Globo, em conjunto com os estúdios Mauricio de Sousa. Após vinte anos de editora Globo, todos os títulos da Turma da Mônica passaram, a partir de janeiro de 2007, para a multinacional Panini, que detinha, na data, os direitos das publicações dos super-heróis da Marvel e DC Comics.

Alguns de seus filhos que viraram personagens passaram a trabalhar com Mauricio; Mônica é responsável pela divisão comercial de alimentos e produtos licenciados, Magali colabora como roteirista e Marina ajuda na criação de novas histórias.

Em 2007, Mauricio de Sousa foi homenageado pela escola de samba Unidos do Peruche com o enredo “Com Mauricio de Sousa a Unidos do Peruche abre alas, abre livros, abre mentes e faz sonhar”. Foi agraciado com a comenda da Ordem do Ipiranga pelo Governo do Estado de São Paulo.

No dia 13 de maio de 2011, Mauricio tomou posse na Academia Paulista de Letras, ocupando a cadeira 24, que anteriormente era ocupada pelo poeta Geraldo de Camargo Vidigal, tornando-se assim o primeiro quadrinista a ser empossado por esta Academia. Ainda em 2011, em uma conversa pela internet, Maurício revelou que o local foi inspirado no bairro do Cambuí, na cidade de Campinas, bairro no qual o desenhista morou durante alguns anos.

Inicialmente, o bairro da Turminha se chamava “Bairro do Tamarindeiro”. Nas historinhas atuais, há várias referências a esse bairro. É um local com muitas plantas e árvores, um campinho (onde os meninos brincam), um lixão, outrora muito visitado pelo Cascão (que não vai mais lá pois o lixão transmite muitas doenças), e quase nenhum asfalto.

Em 2014 o escritor lança um livro da Turma da Mônica com temática espírita, “Meu Pequeno Evangelho”, inspirado no livro O Evangelho Segundo o Espiritismo, uma das cinco obras básicas do Espiritismo.

Origem da Turminha

Maurício de Sousa, analista do jornal Folha da Manhã criou e, ingressou na área dos quadrinhos no ano de 1959 com seus primeiros personagens, Bidu e Franjinha. Ambos foram baseados na própria infância de Maurício, sendo Bidu inspirado no seu cãozinho de estimação, Cuíca. No ano seguinte, os personagens ganharam espaço através da revista infantil Zaz Traz, pela Editora Outubro.

Posteriormente um gibi intitulado “Bidu” foi lançado pela Editora Continental, sendo cancelado no mesmo ano. Ainda naquele tempo, novos personagens foram criados, entre eles o que mais chamou atenção foi Cebolinha como coadjuvante de Franjinha. Os personagens seguiram nas tirinhas de jornal, onde foram desenvolvendo suas personalidades.

Cebolinha passou a ser o personagem principal, substituindo o Bidu, e mais personagens foram se destacando e ganhando séries próprias, como Piteco, Astronauta, Horácio, Penadinho, Zezinho e Hiroshi (atualmente do universo da Turma do Chico Bento) e Raposão (atualmente do universo da Turma da Mata). No entanto, mesmo com todos esses personagens, Maurício recebeu queixas sobre a falta de mulheres em seus quadrinhos, assim Mônica foi criada em 1963, como uma personagem secundária nas tirinhas do Cebolinha.

Baseada na sua filha real Mônica Sousa, o sucesso e o carisma da personagem fizeram dela a protagonista das tirinhas, tornando Cebolinha seu coadjuvante no final da década de 1960.

Outras Turmas

Outros trabalhos associados dos Estúdios Maurício de Sousa que aparecem com frequência nas revistas, e que ocasionalmente se relacionam com a Turma da Mônica, seja em aparições especiais ou em séries crossover são:

  • Turma do Chico Bento – foca na vida diária de Chico Bento, um garoto caipira preguiçoso e seus amigos que vivem em uma fazenda no interior do Brasil. É o que mais frequentemente aparece em contato com a Turma da Mônica. Como a Turma da Mônica, também recebeu uma história em quadrinhos spin-off de estilo mangá lançada em 2013, chamada Chico Bento Moço.
  • Turma do Penadinho – concentra-se em histórias de comédia envolvendo monstros de filmes de terror (fantasmas, vampiros, lobisomens, Frankenstein e até mesmo a morte) em um cemitério.
  • Turma da Tina – Mostra uma rotina diária de um grupo de adolescentes e suas vidas diárias como namoro, faculdade, entre outras questões. Em 2014, recebeu sua própria série de quadrinhos spin-off.
  • Turma do Astronauta – concentra-se nas aventuras em quadrinhos centrada na vida do personagem Astronauta no espaço sideral.
  • Turma da Mata – concentra-se nas vidas diárias de um grupo de animais antropomórficos de diferentes espécies em uma floresta liderados por um rei leão.
  • Turma do Piteco – concentra-se em todos os dias Piteco, um inventor homem das cavernas que está vivendo no meio da pré-história com dinossauros.
  • Turma do Horácio – enfoca a vida de um jovem dinossauro filósofo Horácio e seus amigos dinossauros.
  • Turma do Papa-Capim – concentra-se na vida cotidiana de Papa-Capim, um jovem nativo brasileiro que vive na Amazônia sob constante ameaça de homens brancos.
  • Turma do Bidu – criada por Mauricio de Sousa, sua história é constituída essencialmente por objetos inanimados (ossos, pedras, poças de água, etc) que estabelecem diálogos, além de outros cães que aparecem nas diversas funções de produção de um filme (roteiristas que estabelecem o argumento da história, sendo freqüentes as referências à própria história e à sua condição de desenhos).
  • Turma do Bermudão – É uma turma em que são: Jerê (Jeremias), Mané (Manezinho) e Tigrão (Titi). Quando o narrador diz seus nomes verdadeiros, eles sempre consertam. Na verdade, eles que inventaram essa turma. Nas primeiras aparições da turma, Franja (Franjinha) também aparecia como um dos membros. Eles estão sempre por aí, usando bermudões, falando gírias de adolescentes e falando mal de quem é que está usando “shortinho” e fazendo coisas de neném. Cebolinha, Cascão e Xaveco já tentaram entrar nessa turma, mas não deu certo. Em contraponto a esta, tem uma “Turma do Shortinho”, que seriam os garotos mais novos, que usam “shortinho”, como Cebolinha, Cascão, Xaveco, Dudu, Luca, dentre outros. Na revista Parque da Mônica em que eles apareceram no final, apareceu também a Turma da Calça Comprida formada por: Xábeu, Zé Luís e Jeremias, que agora faz parte da Turma do Bermudão.

Mônica

Mônica é a personagem mais conhecida de Mauricio de Sousa. É uma menina brava, decidida, que não leva desaforo para casa, ao mesmo tempo, que apresenta feminilidade e leveza. Mora com os pais, tem um cãozinho chamado Monicão e vive agarrada a um coelho de pelúcia, apelidado de Sansão.

E este coelho, que ela trata com todo o carinho, também serve de “arma” contra os meninos, principalmente o Cebolinha, o Xaveco e o Cascão, que não param de “aprontar” com ela, chamando-a de gorducha, dentuça ou baixinha. Foi criada em 1963, baseada na filha do Mauricio, com o mesmo nome.

No início, era uma personagem secundária, nas tiras do Cebolinha, nos jornais. Depois, começou a “roubar a cena” e acabou ganhando sua revista própria em 1970. Desde essa época, é uma das revistas que mais se vendem no país.

Hoje, além dos quadrinhos – onde aparece na história como líder imbatível e dona absoluta da rua – Mônica é estrela de cinema, teatro, é garota propaganda de diversos produtos e que também levam seu nome.

Mônica também protagoniza campanhas educativas e comerciais de tevê. Devido a sua popularidade e a sua notoriedade se tornou embaixadora do UNICEF.

Sua dubladora na maior parte da produções é a atriz Marli Bortoletto.

Cebolinha

Cebolinha é um garoto de cabelos espetados que, quando falava, trocava o “R” pelo “L”, existiu mesmo, fazia parte de uma turma de garotos de Mogi das Cruzes, e acabou emprestando suas características para o próprio personagem, personagem criado em 1960 por Mauricio de Sousa. Ele já foi mais alto, baixo e até mais cabeludo, mas sempre com o mesmo jeito “englaçado” de falar.

Parceiro de aventuras – ou seria melhor dizer “vítima”? – da Mônica, a quem vive tentando derrotar com seus “planos infalíveis”, podendo diversas vezes ser considerado um vilão na série. Cebolinha teve a sua revista lançada em 1973, e tal como Mônica, nas horas vagas, também é astro de tevê, cinema e teatro. Cebolinha é um dos únicos personagens clássicos da Turma da Mônica que usa sapatos.

Isto porque ele foi criado em uma época em que todos os personagens usavam sapatos e, como a quantidade de personagens foi aumentando ao longo dos anos, Mauricio de Sousa foi obrigado a desenhar os novos personagens sem sapatos com o fim de conseguir desenhá-los mais rapidamente. Na edição 48 da Turma da Mônica Jovem, é dito na página 39 que seu nome completo é Cebolácio Júnior Menezes da Silva.

Na revista da turma jovem, ele e Mônica iniciam um relacionamento. Nos primeiros tempos, quando o personagem falava alguma palavra “elada”, eram colocadas aspas (ex: “polque” eu falo “elado”?). Com o tempo, estas aspas foram trocadas pelo negrito. O bordão do Cebolinha era DIACHO!; hoje, o mais falado é o PINDALOLAS! (Pindarolas).

Seu animal de estimação é o Floquinho, um cachorro verde coberto de pelos onde nunca se sabe onde é o rosto ou onde é a parte de trás.Sua dubladora na maior parte das produções é a atriz Angélica Santos.

Cascão

Surgiu em 1961, baseado nas recordações de infância do próprio Mauricio. Ele conta que, no início, teve receio da reação do público para com este personagem com uma certa “mania de sujeira”. A aceitação, entretanto, foi imediata e a popularidade cresceu tanto que desde agosto de 1982, Cascão ganha sua própria revista e torna-se o melhor amigo e comparsa de Cebolinha, ajudando-o em aventuras e também na execução dos “Planos Infalíveis” (que sempre falham).

Mora com seus pais em sua casa e seu porco de estimação Chovinista, que é bem esperto e limpo, ao contrário do dono. Também é namorado da Cascuda, uma menina que antes era sujinha como ele, mas que com o tempo passou a ser limpa e organizada. Também é revelado que é sobrinho do Capitão Feio. Seu segundo melhor amigo é o Nimbus.

Detesta água e banhos e é capaz de fazer coisas sobre-humanas para se ver livre de se molhar. É com certeza o personagem que tem mais inimigos da turminha muitos deles querendo se livrar dele e lhe dar um banho. Em uma história é revelado que ele tem dedos nos pés, mas usa meias que estão tão sujas, o fazem parecer com a Mônica (sem dedos).

Em Turma da Mônica Jovem, ele já toma banho e mostra que tem uma quedinha pela Magali, embora ainda namore a Cascuda. O nome verdadeiro do Cascão é Cássio Marques de Araújo.

Seu dublador na maior parte das produções é o ator Paulo Cavalcante.

Magali

Magali é outra personagem baseado em uma pessoa real. Ela é baseada na filha de Maurício, Magali de Sousa, que assim como a personagem também era comilona na infância. Ela é uma menina de apetite voraz e insaciável frequentemente querendo saber de comer, embora que com tanto apetite continue eternamente magra.

Ela também é a melhor amiga da Mônica e por isso é uma das únicas personagens que não brigam com ela. Tem um gato, o Mingau, e vive com os pais. Costuma visitar sua tia Nena que lhe faz doces embora por vezes chegue a tentar roubar a comida de seus amigos. Sua comida favorita é melancia que assim como a Magali verdadeira era capaz de comer uma inteira.

Seu namorado é Quinzinho, um menino filho de um padeiro que frequentemente lhe presenteia com pães e doces.

Em Turma da Mônica Jovem, continua magra e bela, mas acaba demostrando que tem uma queda por Cascão (igual à queda que Mônica e Cebolinha tem um pelo outro), mas não admite isso porque não quer ver o Joaquim brigando com o Cascão.

Até 1989, ela era uma personagem secundária. Mas, devido a sua extrema popularidade, ela ganhou uma revista própria.

Sua dubladora na maior parte das produções é a atriz Elza Gonçalves.

Turma da Mônica Jovem

Turma da Mônica Jovem é uma publicação mensal dos Estúdios Mauricio de Sousa lançada em agosto de 2008. Trata-se de uma releitura dos personagens da Turma em versões adolescentes, em traços e linguagem que remetem aos mangás japoneses e histórias que buscam dialogar com o público pré-adolescente. Com edições que já chegaram a atingir tiragens superiores a 500 mil exemplares, é uma das séries de histórias em quadrinhos mais vendidas no mundo.

A série se passa sete anos à frente da Turma da Mônica tradicional original, servindo como uma concepção do futuro dos personagens, agora na faixa dos 16 anos.

Em um Bairro do Limoeiro que mescla referências típicas do jovem atual com novidades ainda longe da realidade, como viagens espaciais, traquitanas hipertecnológicas, supervilões e organizações secretas – como a misteriosa DI.NA.MI.CA, que controla assuntos fora do controle humano – os quatro amigos inseparáveis que viveram tantas aventuras quando crianças hoje conciliam suas aventuras com as responsabilidades do colégio, dramas da idade mais complicada da vida e as inevitáveis confusões amorosas que todo jovem acaba tendo que enfrentar em algum momento da vida.

Mônica, Cebola, Cascão e Magali ainda são os mesmos que todos conhecemos, mas como toda criança que vira adolescente, “cresceram e estão diferentes”.

Graphic MSP (as aventuras mais inspiradas da Turma)

Graphic MSP é um projeto da Mauricio de Sousa Produções que consiste em histórias dos personagens do estúdio feitas por artistas brasileiros consagrados e com estilos diferentes do padrão das revistas mensais. O nome vem do termo graphic novel. O projeto se originou da série MSP 50 – Mauricio de Sousa Por 50 Artistas, iniciada em 2009.

Até o momento dessa publicação, já foram lançados 23 álbuns, sendo 4 com aventuras do Astronauta, 3 envolvendo a Turma de uma maneira geral, 2 apenas com a Mônica, 2 com o Chico Bento, outros 2 com o Bidu e mais 2 com o Piteco. Estão previstos este anos mais 2 álbuns com a Tina e a sequencia de Capitão Feio. As histórias tem várias diferenças em ritmo, em abordagem e estilo, sendo cada história única e inesperada.

Turma da Mônica na mídia

Os personagens da Turma da Mônica também são os protagonistas do que pode ser considerada a primeira série de animação brasileira. Depois de ser apresentada na televisão a partir de meados da década de 1960, as histórias completas começaram a ser produzidas em 1976 e distribuídas através de compilações de filmes durante os anos 1980 e 1990 (inicialmente lançados em filmes e depois diretamente vídeo).

Atualmente, o desenho animado é exibido no Brasil pelo Cartoon Network e seus canais-irmãos Tooncast e Boomerang. A Globo ainda veicula regularmente o desenho em seu sinal internacional – disponível em países da Europa, Ásia e África.

As animações também receberam dublagem em inglês para distribuição internacional, sendo veiculadas na Itália e outros países da Europa. Entre as demais famílias de personagens de Maurício Horácio, Penadinho, Astronauta, Tina e Turma da Mônica Jovem, também já estrelaram versões animadas.

Além das séries, os personagens também estrelaram quatro longas-metragens de animação – As Aventuras da Turma da Mônica (1982), A Princesa e o Robô (1983), Cine Gibi (2004) e Uma Aventura no Tempo (2007) – além de dois especiais para TV e vídeo em live-action: No Mundo de Romeu e Julieta (1979) e A Rádio do Chico Bento (1989).

That’s all folks!



Fã alucinado da sétima, oitava e nona arte, decidi me aprofundar em seus conhecimentos ao entrar na faculdade.