19
mar
2020
5 Séries para começar e terminar na quarentena do Coronavírus
Categorias: Listas Radioativas • Postado por: Rayane Taguti

Além das recomendações da Organização Mundial da Saúde, do Governo e basicamente de qualquer pessoa sensata (você sabe, lavar as mãos várias vezes ao dia, não tocar o rosto, aderir o máximo possível ao distanciamento social), recomendamos também uma lista de séries para começar E terminar durante a quarentena do coronavírus (COVID-19). Com isso em mente, aqui está uma lista de 5 séries com episódios curtos e poucas temporadas para você começar e terminar durante a quarentena da pandemia do coronavírus, visto que torcemos para que a quarentena não se estenda o suficiente para assistir as 16 temporadas de Grey’s Anatomy.

THE GOOD PLACE (MICHAEL SCHUR, 2016 – 2020)

Eleanor Shellstrop (Kristen Bell) morre e é enviada ao “Lugar Bom”, destinado às pessoas que foram boas durante a vida. Quase como a nossa concepção de céu. E concepção talvez seja uma palavra apropriada. Desde o primeiro episódio, mesmo que levemente, questões existencialistas e filosóficas são abordadas com muito humor e reflexões éticas – até porque um dos moradores do bairro de Shellstrop, Chidi Anagonye (William Jackson Harper), é da área de filosofia. É a partir da segunda temporada que os desenrolares realmente existenciais tomam conta da narrativa, intensificando cada vez mais até o final da série, na quarta temporada, que parece como um suspiro de alívio para a humanidade e sensação de missão cumprida. Uma das melhores finalizações de série atualmente.

Número de temporadas: 4 (finalizada).

Duração aproximada por episódio: 22 minutos.

Onde assistir: Netflix.

UNBREAKABLE KIMMY SCHMIDT (TINA FEY E ROBERT CARLOCK, 2015 – 2019)

A série é criação de Tina Fey, uma das maiores comediantes da atualidade, e acompanha a história de Kimmy Schmidt (Ellie Camper) após ser resgatada de um bunker, onde esteve aprisionada por 15 anos após ser sequestrada, quando criança, por um reverendo maluco (Jon Hamm). Unbreakable Kimmy Schmidt tem um humor diferente e talvez leve dois ou três episódios para entender a mistura entre as situações adultas pelas quais Kimmy passa em Nova Iorque e reage com uma inocência praticamente infantil, o personagem Titus (Tituss Burgess) como um homem gay e super afeminado que tenta se tornar um ator de sucesso e basicamente o elenco inteiro, que é estranho em sua totalidade. A leveza, as reflexões e o carinho que desenvolvemos por todos os personagens e suas tramas fazem todas as temporadas valerem a pena, até mesmo a terceira, que acaba se perdendo em alguns momentos.

Número de temporadas: 4 (finalizada).

Duração aproximada por episódio: 30 minutos.

Onde assistir: Netflix.

LILI, A EX (CACO GALHARDO, LILIAN AMARANTE, 2014 – 2016)

Produzida pela GNT, a série brasileira baseada nas histórias em quadrinhos de Caco Galhardo acompanha Lili (Maria Casadevall), que vive na função de fazer da vida de seu ex, Reginaldo (Felipe Rocha), um inferno. De maneira cômica, Lili decide se mudar para o apartamento literalmente ao lado do de Reginaldo e atrapalha qualquer relacionamento que ele venha a ter. A série tem um estilo agitado e exagerado determinado pela personagem de Lili, completamente ansiosa e meio psicopata. Apesar disso, Lili, a ex tem uma trama boba e gostosa de acompanhar.

Número de temporadas: 2 (não renovada).

Duração aproximada por episódio: 26 minutos.

Onde assistir: GNT.

BONECA RUSSA (NATASHA LYONNE, AMY POEHLER E LESLYE HEADLAND, 2019 – PRESENTE)

Nadia (Natasha Lyonne) é uma mulher que morre na sua festa de aniversário de 36 anos e acorda novamente no começo dela, entrando em um ciclo aparentemente inescapável. Já ouvimos esse tipo de história, não é? Feitiço do Tempo (1993), A Morte Te Dá Parabéns (2017), entre outros. A novidade é ver essa premisse ser explorada no formado seriado. A evitar os clichês que os filmes oferecem, Boneca Russa não se propõe a ser repetitiva, já que a personagem logo aceita sua nova condição. A série é curta e com tramas bem desenvolvidas, ideal para assistir em um final de semana (ou até mesmo em um dia, para os mais entusiasmados).

Número de temporadas: 1 (segunda temporada deve estrear em 2020).

Duração aproximada por episódio: 24-30 minutos.

Onde assistir: Netflix.

RED (VIV SCHILLER E GERMANA BELO, 2015 – PRESENTE)

Desde o lançamento de The Horribly Slow Murder with the Extremely Inefficient Weapon (2008) no Youtube, o caminho foi aberto para o desenvolvimento de séries com um investimento menor e feitas para a internet: as webséries. RED é um dos maiores exemplos de websérie brasileira. Mostra o encontro entre Mel Beartz (Luciana Bollina) e Liz Malmo (Ana Paula Lima), duas atrizes que se envolvem durante as gravações de um curta e levam o relacionamento para a vida real. RED é um prato cheio principalmente para mulheres que se relacionam com mulheres e sentem falta de uma abordagem mais madura no mundo audiovisual.

Número de temporadas: 5 (fazendo catarse para a sexta).

Duração aproximada por episódio: 8-13 minutos.

Onde assistir: Vimeo on demand.



Fã de todas as artes, tento atuar em cinema, música e literatura. Atualmente curso Cinema e Audiovisual na FAP. Do cult ao farofa, da nouvelle vague ao trash, do comercial ao experimental, curto tudo que gere uma conversa de bar ou uma crítica pro site.