17
nov
2019
“Ghost Story”: atmosfera de terror é marcada em romance de Peter Straub
Categorias: Biblioteca Radioativa • Postado por: Matheus Benjamin

Peter Straub é um grande nome no terror e Ghost Story é talvez o seu romance mais famoso. E isso se deve, muito provavelmente ao apelo popular que as histórias de fantasmas possuem. A história aborda uma espécie de maldição que quatro homens, agora idosos, precisam enfrentar por conta de um ato cometido durante sua juventude. Todos eles vivem em uma cidadezinha aterrorizante, prestes a aprender o que acontece com aqueles que acreditam que podem enterrar o passado e ficar impunes disso.

E o essencial a se saber da história é isso. Muito da experiência de leitura é impactada pela agilidade da narrativa que traz consigo diversos fatos interessantes que não deixam de ser assustadores. O autor consegue desenvolver um romance contemporâneo que consegue mesclar o melhor da temática clássica do terror e das histórias de fantasmas, combinados com o sensacionalismo popular.

Resenha | Ghost Story de Peter Straub - Biblioteca do Terror

Nesse sentido, os amantes do gênero têm um prato cheio em mãos, pois a narrativa também é permeada de diversas pistas que vão dando toques sutis no desfecho da história. Além disso, os gatilhos mentais pertinentes ao terror também podem ser conferidos em cada página escrita por Straub. Lançado inicialmente em 1979, a obra se mostra, no entanto, muito atual, por conta de sua temática. Tirando alguns detalhes muito específico, ela se passaria plenamente na atualidade. 

Destacando isso, é preciso dizer que mesmo que a obra pareça muito interessante, ela não é tão original assim. No entanto, tendo em mente que talvez muito do que veio posteriormente se inspirou nela, as coisas podem fazer um pouco mais de sentido. É preciso ter grande respeito com os romances clássicos e chega até ser engraçado que talvez essa seja a primeira vez que a obra de Straub é publicada no Brasil. 

O livro possui passagens muito amedrontantes, de fato, talvez isso seja um grandioso mérito da escrita do autor, repleta de boas sacadas e muito competente em termos estilísticos. Os diálogos conseguem ser muito críveis, únicos e com uma fluidez pertinente aos seus personagens. Há quem diga também que o romance possui algumas mensagens subliminares. Isso tudo faz muito sentido para uma história como essa, não é mesmo?

Comparações quase inevitáveis a Stephen King precisam ser levadas em consideração. Apesar de não ser tão prolixo, o domínio da narrativa centrada em diversos personagens de uma cidade assombrosa e sem muito conhecimento amplo do público também é algo notável e que se assemelha ao trabalho de King. Inclusive, o autor de O Iluminado já reconheceu o valor primoroso desta obra em algumas ocasiões. Nesta edição, há inclusive um blurb do próprio ressaltando a importância de Straub para o gênero.

Mesmo em meio a tantos elogios, um fato que pode afastar um pouco os leitores é o ritmo desacelerado que a narrativa possui e é amarrada. Por mais que a escrita do autor seja muito prazerosa e que os elementos essenciais de uma boa história de terror estejam lá, Straub esmiúça seus pormenores em passos muito calmos, aguardando que você seja fisgado em algum momento. 

Como um contador de histórias, é válido dizer que o autor também consegue costurar tudo de um jeito interessante, além amarrar as pontas soltas, dar destaque a personagens secundários e desenvolver o pano de fundo de um jeito relevante e que sirva positivamente à narrativa.

E tudo isso corrobora para dizer que é um livro longo e desafiador, mas que vale a pena no final das contas. Ghost Story possui nuances bem marcadas e se faz interessante em todos os momentos. Não à toa, é considerado o melhor romance de Peter Straub, o que até então, faz todo o sentido!



Fã de Miyazaki, Villeneuve, Aïnouz e Bodansky. Estudante de Cinema e Audiovisual pela Universidade Estadual do Paraná. Produzi alguns filmes, entre eles "Alice." e "Lado B", pela Pessoas na Van Preta.