06
jul
2020
Você já conhece o MUBI?
Categorias: Artigos • Postado por: Leandro Cavalheiro

Tudo, em um só lugar, sobre o serviço de streaming para quem ama cinema de alta qualidade.

Se alguém sentiu a necessidade de fazer um filme tão preciso, significa que alguém, em algum lugar, precisa assisti-lo.” MUBI, aba “VISÃO”.

Os últimos anos viram o surgimento, o fortalecimento e o crescente protagonismo dos serviços de streaming, nova forma de consumo de audiovisual que mudou radicalmente o homevideo e o VOD (vídeo sob demanda), ao permitir, por exemplo, dispensar a compra de mídias físicas (como Blu-ray e DVD) e a aquisição individual (como pay-per-view) de filmes, séries e outros conteúdos audiovisuais.

A Netflix, pioneira nessa iniciativa, é a plataforma de streaming mais conhecida e popular, consistindo, basicamente, de um catálogo de filmes e séries que são reproduzidos online, no navegador de internet, por exemplo, sem necessidade de downloads diretos ou compras individuais. Só é necessário ter uma boa conexão de internet e, por um preço fixo ao mês, o assinante tem acesso a todo o catálogo quando e onde quiser, o que diferencia o serviço dos canais tradicionais de televisão.

Com o tempo, plataformas concorrentes surgiram, como a poderosa Amazon Prime Video, a Hulu, o HBO Max, o Globoplay e a recente, e muito aguardada no Brasil, Disney+. Além de terem catálogos diferentes e atualizados periodicamente, a competitividade entre as plataformas aumentou com produções próprias e originais, disponíveis somente para seus assinantes.

Apesar de todas as suas vantagens, essas plataformas citadas costumam ter um calcanhar de Aquiles. Seus catálogos incluem (e priorizam) muitos filmes e séries recentes, comerciais e populares, o que costuma satisfazer uma grande parcela do público consumidor, mas não são muitos os exemplares de filmes (muito) antigos, experimentais, marginais, históricos, de nacionalidades variadas, pouco comerciais, mais artísticos ou de status cult.

Enfim, o MUBI.

É para preencher essa lacuna que existe o MUBI, uma plataforma de streaming global (co-fundada pela União Europeia) com foco em filmes de perfis diferenciados como os mencionados acima, de valor artístico, histórico e/ou experimental mais apurado – tanto antigos quanto modernos, de diretores consagrados ou de novos em ascensão, longas e curtas-metragens, premiados e aclamados pela crítica, de países do mundo inteiro.

O MUBI procura atender à demanda crescente de cinéfilos e de curiosos por cinema de alta qualidade, por sua história e suas possibilidades: é um lugar não só de acesso privilegiado, mas também de descoberta constante de filmes autorais.

Além de disponibilizar filmes raramente distribuídos pelo mundo, não só nos serviços de streaming, mas também nos catálogos de Blu-rays, DVDs e VHSes, o MUBI propõe uma experiência diferenciada de visualização. Sua programação de exibição, selecionada a dedo por curadores, a princípio não permanece disponível na plataforma indefinidamente.

Página inicial do MUBI, em https://mubi.com/pt.

Talvez para estimular a cinefilia assídua, ajudando os interessados em cinema a evitar a procrastinação e a consumir filmes com regularidade, o MUBI disponibiliza “Em Exibição” uma quantidade de filmes equivalente aos dias de um mês. Cada filme permanece na plataforma por 30 dias e, em cada dia, um filme encerra seu período “em cartaz” e outro (o “Filme do dia – Lançamento MUBI”) inicia. É o velho princípio da qualidade antes da quantidade, o que, inclusive, auxilia o espectador a não se perder tentando escolher entre opções inumeráveis.

Desta forma, o MUBI fornece ao menos um filme novo e diferenciado (a maioria deles em HD) por dia aos cinéfilos. O assinante, é claro, pode assistir ao filme que quiser quando quiser, mas esse esquema de atualização diária do catálogo incentiva que uma regularidade de visualização seja almejada, de modo a não perder nenhum filme disponibilizado na plataforma. Há até certa emoção ao se pensar: “Esse filme x sai do catálogo hoje, talvez eu nunca mais tenha essa oportunidade; então, é agora ou nunca!”. Isso espelha a programação das salas de cinema: os filmes ficam em exibição por apenas algumas semanas.

FILME DO DIA” no MUBI (05/07/2020).

Além da ordenação dos filmes por tempo restante “Em Exibição”, o MUBI é sempre reorganizado em categorias/mostras: especiais sobre diretores renomados (inclusive estreantes), sobre temas abordados, premiações, festivais (a plataforma, inclusive, tem hospedado filmes do “Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba”), etc. Cada filme tem seu perfil próprio, com ficha técnica, nota média dada por usuários do MUBI, premiações conquistadas, críticas principais sobre a obra, dentre outras informações. É possível, por exemplo, pesquisar filmes por artistas, como diretores e atores. Tudo sem anúncio nenhum, nunca.

Todo esse trabalho é realizado por uma equipe internacional de mais de 170 colaboradores. São curadores de todas as partes do mundo, que garimpam festivais, buscando encontrar jóias do cinema contemporâneo independente e possibilitar acesso direto a esses filmes (que frequentemente esbarram em dificuldades de distribuição) a uma comunidade global. O objetivo é descentralizar os centros de exibição de filmes que talvez sejam pouco populares, mas muito valorosos, e levá-los ao mundo todo, sem que os espectadores tenham de viajar para cada festival do planeta. Dessa maneira, o MUBI também serve de distribuidor de filmes alternativos, laureados mundo afora, mas de alcance talvez limitado na lógica comercial. São lançamentos exclusivos da plataforma MUBI.

“‘Esse filme sai do catálogo hoje, talvez eu nunca mais tenha a oportunidade de ver ele; então, é agora ou nunca!’. Isso espelha a programação das salas de cinema: os filmes ficam em exibição por apenas algumas semanas.”

O MUBI ainda conta com uma comunidade interna de cinéfilos composta por mais de 10 milhões de membros do mundo todo, cujas notas dão a média de avaliação dos filmes e os quais podem favoritar seus filmes preferidos, criar listas pessoais, publicar críticas e comentários e discutir os filmes vistos após sua visualização. O Feed é similar ao de outras redes sociais, concentrando essas críticas e comentários de usuários.

Para completar, o MUBI inclui o The Notebook: um periódico internacional de artigos diários sobre cinema, com notícias, entrevistas e críticas. O The Notebook se propõe a ser um mapa para o cinema contemporâneo e clássico, através de conteúdo em diferentes formatos, desde textos a videoensaios. Por serem de alcance internacional, essas publicações são disponibilizadas em inglês. Todos os serviços do MUBI contam com uma interface bastante clean e intuitiva.

E quanto custa o MUBI?

O MUBI oferece três tipos de assinatura principais: o Plano Básico, com o qual não é possível assistir aos filmes, somente participar da comunidade (avaliar e criticar filmes, criar listas) e acompanhar o Notebook; tudo sem custo algum. E os Planos Mensal (R$ 27,90 ao mês) e Anual (R$ 19,90 ao mês, R$ 238,80 ao ano), com direito aos serviços do Plano Básico e acesso a todos os filmes disponíveis. Esses planos pagos também permitem baixar os filmes em dispositivos com iOS e Android, para assistir offline.

Uma assinatura paga do MUBI permite assistir a filmes em até 5 (cinco) dispositivos e 2 (duas) telas ao mesmo tempo. É possível assistir no PC, Mac, iPhone, iPad, Apple TV, Apple TV App, Android, Playstation, Roku, algumas Smart TVs (como LG e Samsung), utilizando o Google Chromecast ou o Airplay, entre outros.

Além desses planos, é possível presentear outra pessoa com uma assinatura anual do MUBI por R$ 238,80 (valores informados no site hoje, 05/07/2020); alunos de Escolas de Cinema podem resgatar uma assinatura gratuita através de e-mail institucional; e todos podem experimentar a experiência do MUBI gratuitamente por 7 (sete) dias, depois de, caso queiram, terem um gostinho do conteúdo no MUBI Live. É possível cancelar o serviço a qualquer momento, sem nenhum tipo de taxa de fidelidade. Ele permanecerá disponível para uso pelo tempo restante do mês pago, pois não há reembolso.

Experimente gratuitamente por 7 dias e descubra se o MUBI te satisfaz.

Atualmente, além de co-produzir alguns filmes e lançar vários outros (como Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles) em telas de cinema nos Estados Unidos e no Reino Unido (o que faz desde 2016), o MUBI tem trabalhado em um Acervo, resgatando filmes que já estiveram em exibição na sua programação normal, para serem vistos ou revistos na plataforma. Você pode conferir alguns destaques desse Acervo  >>aqui<<.

Veja também:



Cineasta de ficção, sou formado em Letras pela UFPR e estudo Cinema e Audiovisual na UNESPAR. Sou apaixonado por linguagem, cultura, narrativa, drama, estrutura, estética e história do audiovisual. Sedento por e de coração aberto a todas as experiências possíveis no audiovisual, aproveito o que cada expressão tem a oferecer.