22
set
2020
7 motivos para ver Mulan (1998)
Categorias: Sem categoria • Postado por: Rafael Hires

Um grão de arroz pode virar a balança. Um homem pode ser a diferença entre a vitória e a derrota.

– Imperador da China, Mulan (1998)

E nem parece que fazem 22 anos desde a estreia de Mulan nos cinemas. Eu fui um dos que presenciou isso. Até hoje, da linha Princesas Disney (eu sei que Mulan não é princesa, mas não interessa) é uma das minhas favoritas ao lado de Moana, Tiana, Elsa, Anna, Vanellope, etc.

Recentemente, a Disney estava prestes a lançar o filme no seu serviço de streaming. Tudo ia as mil maravilhas, mas eis que surgiu o Coronga pra atazanar e a empresa do Camundongo se viu obrigada para não perder dinheiro teve de lançar o filme no seu serviço de streaming por um preço nada convidativo: US$ 30.

A gente já sabe que o serviço só chega oficialmente em 17 de novembro, mas antes de você ver no streaming, veja os meus 10 motivos para ver o material fonte.

Animação sensacional

Os idealizadores do projeto Tony Bancroft e Barry Cook já tinha experiencia com outros grandes sucessos da casa como Bernardo e Bianca na Terra dos Cangurus e A Bela e a Fera. E sua primeira empreitada na cadeira de direção não deixa a desejar. O traço não é aquele característico de anime, mas não fica parecendo uma animação ocidentalizada demais. Além disso, Bancroft vai ser um dos animadores do vindouro Space Jam: Um Novo Legado.

Música

A trilha fica a cargo de Jerry Goldsmith. Jerry é compositor de 5 filmes da franquia Star Trek (Jornada nas Estrelas), os primeiros 3 filmes Rambo, O Planeta dos Macacos, Patton: Herói ou Rebelde, Chinatown, Poltergeist – O Fenômeno (1980), Gremlins, O Vingador do Futuro e A Múmia (1999, sim aquele com Brendan Frasier). Aqui, ele está tão bem quanto seus outros trabalhos.

Dublagem

Na versão original, temos Ming-na Wen fazendo as vezes de Mulan. No Brasil, temos a talentosíssima Kacau Gomes fazendo as vezes da protagonista. Kacau já mostrou competência em outros trabalhos e futuramente iria fazer a Tiana em A Princesa e o Sapo. Além disso, se lá eles contam com George Takei (o Sr. Sulu em Jornada nas Estrelas), Pat Morita (o Sr. Miyagi em Karatê Kid), Miguel Ferrer (o Bob Morton, responsável pelo projeto RoboCop), aqui temos Isaac Bardavid (o interprete do Woverine tanto animado quanto com atores), Leonardo José (o futuro interprete do Thanos na reta final da Saga do Infinito na Marvel), Pietro Mário (o primeiro dublador do Mestre Yoda em Star Wars (da época em que ainda se chamava Guerra nas Estrelas), que faleceu recentemente) e Claudio Galvan (a voz atual do Pato Donald).

Mushu

Em (quase) todos os filmes da Disney, existem aqueles personagens que fazem mais sucesso que os protagonistas. E, em minha opinião, Mushu é mais carismático que Mulan, Shan Yu e Li Shang juntos. Claro que o mesmo não seria nada sem seu pau pra toda obra, nesse caso: Gri-li. Os dois se metem em cada situação que é até difícil de acreditar. Um dos momentos mais engraçados é aquele em que Mushu voa com uma pipa e finge que são asas e fica similar ao Batman. Showpimpa. Além disso, Eddie Murphy e Mário Jorge Andrade, o dublador regular do astro, dão vida ao filme de forma irrepreensível.

True to Your Heart/Seu Coração

Rafael, isso não era para fazer parte da trilha sonora? Gente, todas as músicas da Disney, tem sempre uma que se destaca onde eles chamam uma celebridade para cantar. Nos EUA, chamaram a boy band 98º e o mestre Stevie Wonder. Aqui no Brasil, quem ficou no cargo da versão foi a dupla Sandy & Júnior. Além disso, a própria Sandy ficou responsável da versão solo da música Imagem, que ficou a cargo de Christina Aguilera na versão americana. Até hoje, uma das melhores músicas da Disney.

As lições de moral

Alguns temas discutidos pelo longa são aceitar as diferenças, a importância da família, a importância de lutar pelos sonhos, gênero não limita a sua capacidade, etc. Continua tão atual como na época em que estreou. Além disso, é uma das primeiras princesas que não se acomodam e vão as vias de fato pra lutar pela sua independência.

Representatividade antes de virar uma pauta super discutida hoje em dia

Hoje, a pauta da representatividade é muito presente. Na época, era discutido, mas com bem menos intensidade. Mesmo em sua época, havendo Pocahontas como princesa, ela ainda era menos proativa. Aqui, Mulan rompe os laços que a ligavam com a família para proteger o pai e vai pra guerra. Mulherão da porra. E claro, inspirou a futura geração de princesas que iria sair nos anos 2010.

É isso, povo. Mais uma lista chegando ao fim. Tem alguma sugestão? Diz nos comentários. Nos segue no Twitter, no Instagram e no Facebook para receber atualizações. Tchau!



Fã alucinado da sétima, oitava e nona arte, decidi me aprofundar em seus conhecimentos ao entrar na faculdade. Agora, formado em Realização Audiovisual na Unisinos, dedico meu tempo a muitas outras aventuras emocionantes.